Concepções a respeito do Trabalho Final do Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Nelson Luiz Reyes Marques, Cristiano da Silva Buss, Maykon Gonçalves Müller, Marcos Andre Betemps Vaz da Silva

Resumo


O texto que segue apresenta um estudo que destaca as principais características a respeito do Trabalho Final exigido como condição de obtenção do título no Mestrado Profissional (MP) em Ensino de Ciências. Para tanto, buscou-se inicialmente recuperar os aspectos históricos da criação dos Mestrados Profissionais no Brasil. Com base nas legislações vigentes ao longo dos anos em que o MP foi se consolidando, foi possível perceber o quanto o Trabalho Final foi sendo reinterpretado. Por último, apresentamos as convicções que representam o pensamento dos professores da área de Física que pertencem ao Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação (PPGCITED) do Campus Pelotas Visconde da Graça do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul). A partir de teóricos iremos expor o entendimento que tem pautado as orientações dos nossos alunos em relação aos seus trabalhos de conclusão do curso


Palavras-chave


Produto Educacional; Mestrados Profissionais; Área de Ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


BAROLLI, Elisabeth; VILLANI, Alberto; MAIA, Juliana de Oliveira. O Mestrado Profissional em Ensino de Física da UFRGS: reconstrução de uma história. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências. Belo Horizonte, v. 19, e2595, p. 1-28, 2017. Disponível em: . Acesso em 06 jun. 2018.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer CES/CFE nº 977/65, de 3 de dezembro de 1965. Dispõe sobre a definição dos cursos de pós-graduação. Brasília, DF: MEC, 1965. Disponível em: . Acesso em 28 maio 2018.

BRASIL. Portaria nº 47, de 17 de outubro de 1995. Determina a implantação na Capes de procedimentos apropriados à recomendação, acompanhamento e avaliação de cursos de mestrado dirigidos à formação profissional. Revista Brasileira da Pós-Graduação - RBPG, Brasília, v. 2, n. 4, p. 147-148, jul. 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2018.

BRASIL. Portaria nº 80, de 16 de dezembro de 1998. Dispõe sobre o reconhecimento dos mestrados profissionais e dá outras providências. Revista Brasileira da Pós-Graduação - RBPG, Brasília, v. 2, n. 4, p. 149-150, jul. 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2018.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento da Área de Ensino de Ciências e Matemática. Brasília, DF, 2001. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2018

BRASIL. Conselho Superior da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior. Comissão do Mestrado Profissional, 23 de agosto de 2002. Parâmetros para avaliação de mestrado profissional. Revista Brasileira da Pós-Graduação - RBPG, Brasília, v. 2, n. 4, p. 151-155, jul. 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2018.

BRASIL. Portaria Capes nº 17, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Capes. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Ministério da Educação. Diário Oficial de União, Brasília, DF, n. 248, 29 dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2018.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Relatório de Avaliação: Ensino. Brasília, DF, 2017. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2018.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Portaria nº 60, de 20 de março de 2019.Dispõe sobre o mestrado e doutorado profissionais, no âmbito da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Ministério da Educação. Diário Oficial de União, Brasília, DF, nº 56, 22 mar. 2019a. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2019.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento Orientador de APCN. Área 46: Ensino. Brasília, DF, 2019b. Disponível em: . Acesso em:02out. 2019.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista brasileira de educação, 2002, 19: 20-28.

BRAZ DA SILVA, Alcina Maria Testa; SUAREZ, Ana Paula Mendes de Souza; UMPIERRE, Andrea Borges. Produtos Educacionais: Uma avaliação necessária. Interações. N°. 44, p. 232-243 (2017).

FISCHER, Tânia. Seduções e riscos: a experiência do mestrado profissional. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 2, p. 119-123, abr./jun. 2003. Disponível em: . Acesso em 28 maio 2018.

FRANCO, Frederico Souza Lima Caldoncelli; PEREIRA, José Luiz de Andrade Rezende. A Evolução da Pós-Graduação na rede Federal. In: SOUZA, Ruberley Rodrigues de. Pesquisa, Pós-graduação e Inovação na rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Goiânia, Editora do IFG, 2017. Cap 6, p. 103-128.

GIACOMAZZO, Graziela Fatima; LEITE, Denise Balarine Cavalheiro. O mestrado profissional no âmbito das políticas públicas na educação: reflexões sobre a produção do conhecimento científico. ETD-Educação Temática Digital, 2014, 16.3: 475-493.

MENANDRO, Paulo Rogério Meira. Réplica 2: mestrado profissional, você sabe com quem está falando?. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 14, n. 2, p. 367-371, abr 2010. Disponível em: . Acesso em 28 maio 2018.

MOREIRA, Marco Antonio. O mestrado (profissional) em ensino. Revista Brasileira da Pós-Graduação - RBPG, Brasília, v. 1, n. 1, p. 131-142, jul. 2004. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2018.

MOREIRA, Marco Antonio. NARDI, Roberto. O mestrado profissional na área de ensino de ciências e matemática: alguns esclarecimentos. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 2, n. 3, set./dez., 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2018.

NARDI, Roberto. A área de ensino de Ciências no Brasil: fatores que determinaram sua constituição e características segundo pesquisadores brasileiros. Tese [Livre Docência]. Faculdade de Ciências. Universidade Estadual Paulista, Bauru, São Paulo, 2005. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

OSTERMANN, Fernanda. REZENDE, Flávia. Projetos de desenvolvimento e de pesquisa na área de ensino de ciências e matemática: uma reflexão sobre os mestrados profissionais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 26, n. 1, p. 66-80, abr. 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

SOUZA, Ruberley Rodrigues de, et. al. O FORPOG, a Pesquisa, a Pós-graduação e a Inovação na Rede Federal. In: SOUZA, Ruberley Rodrigues de. Pesquisa, Pós-graduação e Inovação na rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Goiânia, Editora do IFG, 2017. Cap 2, p. 13-34.

SEVERINO, A. J. O Mestrado Profissional: mais um equívoco na política nacional de pós-graduação. Revista de Educação, Campinas, n. 21, p. 9-16, nov. 2006.

HETKOWISKI, T. M. Mestrados Profissionais em Educação: políticas de implantação e desafios às perspectivas metodológicas. Revista Plurais, Salvador, v. 1, n. 1, p. 10-29, jan./abr. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.172-187.1758

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                                      Indexadores / Indexing

Logotipo do Crossref