Percepções de professoras sobre o uso pedagógico de tecnologias emergentes: uma investigação em Porto Velho/RO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.410-427.1912

Palavras-chave:

Tecnologias emergentes, Prática pedagógica, Educação Básica, Amazônia Ocidental.

Resumo

O presente artigo, recorte de uma pesquisa de Mestrado, objetiva investigar percepções de professoras de escolas públicas de Porto Velho, Rondônia, quanto ao uso das Tecnologias Emergentes (TE) em suas práticas pedagógicas. Tratou-se de uma pesquisa qualitativa, do tipo Exploratória, realizada entre maio e setembro de 2018. Os dados foram coletados via entrevista semiestruturada, realizada com seis professoras de cada uma das duas escolas pesquisadas, e foi adotada a análise textual discursiva para suas análises. Verificou-se que as professoras da Escola A sentem-se mais preparadas para o uso pedagógico das TE do que as da Escola B. A partir de suas percepções, os achados indicam: que a maioria não reconhece a relação teoria-prática; um sentimento empírico de preparo para o uso das TE e; severos problemas estruturais nas escolas. Mediante tais resultados, infere-se que o uso das TE nas práticas pedagógicas dessas professoras apresenta limitações formativas e estruturais, reflexo de lacunas de formação e de limitações estruturais nas escolas públicas do município, dificultando a inserção de Tecnologias Emergentes típicas do século XXI, de forma atrativa aos educandos, em suas aulas.

Biografia do Autor

Delziana Oliveira, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Professora Secretaria Municipal de Educação de Porto Velho/RO.

Rafael Fonseca de Castro, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Departamento de Ciências da EducaçãoPrograma de Pós-Graduação em Educação (PPGE)Mestrado Profissional em Saúde da Família (ProfSaúde)Grupo de Pesquisa HISTCULT | www.histcult.unir.brUniversidade Federal de Rondônia (UNIR)

Rosângela de Fátima Cavalcante França, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Departamento de Ciências da EducaçãoPrograma de Pós-Graduação em Educação (PPGE)Grupo de Pesquisa PRÁXISUniversidade Federal de Rondônia (UNIR)

Referências

BAUER, Martin. W.; GASKELL, George. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: um manual prático. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2017. 516p.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 05 maio. 2019.

CASTELLS, Manuel. A Era da Informação: Economia, sociedade e cultura. 5. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2016. 713p.

CENSO ESCOLAR. INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. CENSO ESCOLAR. 2018. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/censo-escolar >. Acesso em: 02 de jul. 2020.

CASTRO, Rafael F. de. A expressão escrita de acadêmicas de um curso de Pedagogia a distância: uma intervenção Histórico-Cultural. 2014. 238f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

CASTRO, Rafael F. de. Tecnologias Emergentes e Formação de Professores: o que as grades curriculares de cursos de Pedagogia sinalizam? In: Múltiplos Olhares sobre a Formação de Professores no Brasil. (Orgs.) SILVA, Marijâne S.; PEDROSA, Neide B.; ISOBE, Rogéria M. R. Porto Velho: EDUFRO, 2020.

CETIC.BR. Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação. Pesquisa e indicadores 2018. Disponível em: <https://cetic.br/pt/pesquisa/educacao/indicadores/>. Acesso em: 17 de mar. 2018.

DAMIANI, Magda Floriana et al. Afinal, o uso doméstico do computador está associado à diminuição da reprovação escolar? Resultados de um estudo longitudinal. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 24, n. 90, p. 59-81, jan./mar. 2016.

DAVYDOV, Vasily Vasilovich. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico. Havana: Editorial Progresso, 1988. 217p.

DUARTE, Newton. Vigotski e o “aprender a aprender”: Crítica às Apropriações Neoliberais e Pós-modernas da Teoria Vigotskiana. 2. ed. São Paulo: Autores Associados, 2001. 269p.

DUARTE, Newton. Sociedade do Conhecimento ou das ilusões? Quatro ensaios críticos-dialéticos em filosofia da educação. São Paulo: Autores Associados, 2008. 108p.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2010. 200p.

IBGE CIDADES. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE CIDADES. 2019. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/porto-velho/>. Acesso em: 02 jul. 2020.

KENSKI, Vani Moreira. Educação e Tecnologia: o novo ritmo da educação. SP: Papirus, 2007. 144p.

KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e Tempo Docente. SP: Papirus, 2013. 176p.

LEONTIEV, Alexis Nikolaevich. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978. 356p.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. 2. ed. SP: Cortez, 2013.

MARTINS, Lígia Márcia. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: Contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

MARTINS, Lígia Márcia. Psicologia Histórico-cultural, Pedagogia Histórico-Crítica e Desenvolvimento Humano. In: MARTINS, Lígia Márcia; ABRANTES, Angelo Antonio; FACCI, Marilda G. Dias. (Orgs.). Priorização Histórico-Cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento à velhice. SP: Autores Associados, 2016.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência e educação, v. 9, n. 2, 191-2011, 2003.

MORAN, José Manuel; MO, Marilda Aparecida. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. 21. ed. SP: Papirus Editora, 2010. 176p.

OLIVEIRA, Delziana de; CASTRO, Rafael F. de. Percepções de graduandas em Pedagogia sobre sua formação para o uso das Tecnologias Emergentes em sala de aula: um estudo de caso na Amazônia Ocidental. 2020. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 18, n. 1, p. 1-11, julho, 2020.

SANTAELLA, Lúcia. Comunicação ubíqua: Repercussões na cultura e na educação. São Paulo: PAULUS Editora, 2014. 304p.

SAVIANI, Dermeval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, p. 143-155, 2009.

SAVIANI, Dermeval. O lunar de Sepé: paixão, dilemas e perspectivas na educação. São Paulo: Autores Associados, 2014. 181p.

VYGOTSKI, Lev Semionovich. Obras Escogidas Tomo I (La consciencia como problema de la psicología del comportamiento). Madrid: Aprendizaje Visor y Ministerio de Educación y Ciencia, 1925/1991.

VYGOTSKI, Lev Semionovich. Obras Escogidas Tomo III (Historia del Desarrollo de las Funciones Psíquicas Superiores). Madri: Visor, 1931/1995. 383p.

VYGOTSKY, Lev Semionovich. Aprendizagem e desenvolvimento na idade escolar. In:Luria, Leontiev, Vigotsky. Psicologia e Pedagogia I: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Lisboa: Editorial Estampa. p. 31-50, 1991.

VYGOTSKY, Lev Semionovich. Obras Escogidas Tomo II (Pensamiento Y Lenguaje). Moscú: Editorial Pedagógica, 1934/1982. 484p.

Downloads

Publicado

2020-09-08

Como Citar

Oliveira, D., Castro, R. F. de, & França, R. de F. C. (2020). Percepções de professoras sobre o uso pedagógico de tecnologias emergentes: uma investigação em Porto Velho/RO. Revista Educar Mais, 4(2), 410-427. https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.410-427.1912

Edição

Seção

Artigos