O ensino remoto na pandemia e a precarização da prática pedagógica de professores de Porto Velho: pertinências e impertinências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2219

Palavras-chave:

Pandemia; COVID-19; Trabalho remoto; Prática Pedagógica; Precarização.

Resumo

Em tempos da pandemia da COVID-19, o Ministério da Educação (MEC) e o Conselho Nacional de Educação (CNE) respaldaram as atividades escolares no país. Assim, todas as escolas públicas optaram pelo ensino remoto. Neste cenário, a presente pesquisa do tipo descritiva, de abordagem qualitativa, objetivou analisar a compreensão dos professores quanto à precarização da sua prática pedagógica e o que foi pertinente e impertinente no contexto do ensino remoto. Participaram dessa investigação, por meio de um questionário on-line, seis professoras que atuam em uma escola da Rede Municipal de Ensino de Porto Velho-RO. Os resultados evidenciam que todas as professoras compreendem que o ensino remoto precarizou sua prática pedagógica e alegam dificuldades atinentes às condições de trabalho. Sobre as pertinências, mencionam que a relação entre família e escola melhorou e os alunos não ficaram totalmente sem aulas. Quanto às impertinências, a ênfase recai sobre a falta de formação tecnológica para a utilização das ferramentas digitais. Conclui-se, portanto, que para mudanças abruptas como as que ocorreram na prática pedagógica dos professores, a formação destes deve receber especial atenção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosângela de Fátima Cavalcante França, UNIR

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Professora do Departamento de Educação (DECED) e no Programa de Pós-Graduação Stritu Sensu Mestrado Acadêmico em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). https://orcid.org/0000-0003-2301-7000

Ângela Aparecida de Souto Silva , UNIR

Mestra em Educação pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Especialista em Metodologia do Ensino Superior. Graduada em pedagogia.

Débora Ferreira da Silva Feitosa , UNIR

Doutoranda em Educação Escolar pelo programa de Mestrado e Doutorado profissional da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Mestra em Psicologia pela UNIR. Professora e Coordenadora Pedagógica da Secretaria Municipal de Educação da cidade de Porto Velho (RO). 

Referências

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 05 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação/Secretaria Executiva. Sumula do Parecer CNE/CP n. 5/2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de computo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horaria mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Diário Oficial da União, ed. 83, seção 1, Brasília, DF, p. 63, 04 maio 2020a. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/sumula-do-parecer-cne/cp-n-5/2020-254924735. Acesso em: 11 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação/Secretaria Executiva. Parecer CNE/CP nº 11/2020. Orientações Educacionais para a Realização de Aulas e Atividades Pedagógicas Presenciais e Não Presenciais no contexto da Pandemia. 2020b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/atos-normativos--sumulas-pareceres-e-resolucoes/33371-cne-conselho-nacional-de-educacao/90771-covid-19. Acesso em: 13 nov. 2020.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1987.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 6 ed., v. 1, São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

ESTEVE, J. M. Mudanças sociais e formação docente. In: NÓVOA, A.; HAMELINE, D.; SACRISTAN, J. G.; ESTEVE, J. M.; WOODS, P.; CAVACO, M. H. Profissão Professor. Portugal: Porto, 1999.

FARIAS, L. C.; DIAS, R. E. Discursos sobre o uso das TIC na educação em documentos ibero-americanos. Revista Linhas, Florianópolis, v. 14, n. 27, p. 83-104, jul.-dez. 2013. Disponível em: <https://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/198472381427201383/2811>. Acesso em: 10 out. 2020.

FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO, N. L. R. Trabalho docente, formação continuada e tecnologias. In: FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO, N. L. R. (Orgs.). A intensificação do trabalho docente: tecnologias e produtividade. Campinas: Papirus, 2009.

FRANCKLIN, A. Trabalho docente e condições de uso das tecnologias educacionais. Curitiba: Appris, 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LUCKESI, C.C. Avaliação em educação: questões epistemológicas e práticas. São Paulo: Cortez, 2018.

OLIVEIRA, M. E. “Professor, você trabalha ou só dá aula?”: um olhar sobre a história da precarização do trabalho docente. Curitiba: CRV, 2019.

PONTES, F. R.; ROTAS, M. H. S. G. Precarização do trabalho docente e adoecimento: COVID-19 e as transformações no mundo do trabalho, um recorte investigativo. Revista Thema, v. 18, Edição Especial COVID-19, p. 278-298, 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.15536/thema.V18.Especial.2020.278-300.1923>. Acesso em: 30 out. 2020.

PORTO VELHO. Secretaria Municipal de Educação. Ofício nº 1552 /2020/DIEB/DPE/SEMED de 16 de abril de 2020, dispõe orientações sobre as atividades remotas que serão disponibilizadas aos alunos da Rede Municipal de Ensino, durante a suspensão das aulas, devido ao Decreto de Situação de Emergência em razão da pandemia, 2020.

SACRISTÁN, J. G. Plano do currículo, plano do ensino: o papel dos professores/as. In: SACRISTÁN, J. G.; GÓMEZ, P. J. A. I. Compreender e transformar o ensino. 4 ed., Porto Alegre: Artmed, p. 197-232, 1998.

SILVA, A. F. et. al. Saúde mental de docentes universitários em tempos de pandemia. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 30(2), e300216, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312020000200315. Acesso em: 05 nov. 2020.

SOUZA, T.M.S. Efeitos da precarização do trabalho na vida dos/as professores/as: Assédio Moral e adoecimento. In: FACCI, M.G.D.; URT, S.M. (Org.). Precarização do trabalho, adoecimento e sofrimento do professor. Terezina: EDUPFI, 2017. p. 165-198.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Nota técnica. Ensino a distância na educação básica frente a pandemia da COVID-19. Disponível em:

https://www.todospelaeducacao.org.br/_uploads/_posts/425.pdf?1730332266=. Acesso em: 14 nov. 2020.

Downloads

Publicado

2021-01-06

Como Citar

França, R. de F. C. ., Silva , Ângela A. de S., & Feitosa , D. F. da S. . (2021). O ensino remoto na pandemia e a precarização da prática pedagógica de professores de Porto Velho: pertinências e impertinências. Revista Educar Mais, 5(1), 139-156. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2219