Processos formativos mediados por tecnologias emergentes no estado de Rondônia em tempos de pandemia: o que dizem os professores?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2140

Palavras-chave:

Formação de professores, Ensino Remoto Emergencial, Mediação, Tecnologias Emergentes, Pandemia de COVID-19

Resumo

Esta pesquisa investigou, a partir das percepções dos (denominados) professores articuladores de um processo de formação continuada realizado em Rondônia, via Ensino Remoto Emergencial, limites e possibilidades que permearam o uso de tecnologias nesse processo. Adotou-se teoricamente o conceito vygotskiano de mediação e a perspectiva de Tecnologias Emergentes (TE) para discutir a problemática. Os dados, provenientes de um questionário online e de observação participante, foram analisados à luz da análise textual discursiva e produziram os seguintes achados: i. em uma perspectiva vygotskiana, as tecnologias utilizadas atuaram na condição de ferramentas e de signos na atividade mediadora formação remota; ii. as aprendizagens mais relevantes, segundo os professores, foram as relativas ao uso das TE durante as formações, mais mencionadas até do que os conteúdos trabalhados; iii. as principais dificuldades relatadas foram a conexão de internet ruim nos municípios e a falta de conhecimento sobre o uso das tecnologias pelos professores; iv. os docentes se mostraram conscientes da importância do domínio de tecnologias na condição de educadores e otimistas com relação ao seu uso pedagógico em um cenário pós-pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Fonseca de CASTRO, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Doutor e Mestre em Educação pela UFPel, tendo realizado estágio doutoral na Universität Siegen (Alemanha) e participado do III International Summer University for PhD Students, realizado pela Moscow State University (Rússia). Possui graduação em Licenciatura em Pedagogia e em Bacharelado em Ciência da Computação (UCPel) e também é Especialista em Educação (UFPel) e em Linguagens Verbais e Visuais (IF-Sul). 

Professor do Departamento de Ciências da Educação da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), desenvolve estudos sobre ensino e aprendizagem, formação de professores, Psicologia da Educação, metodologia de pesquisa, Tecnologias Emergentes, EaD, Gestão Escolar, Linguística Textual e Educação na Saúde. Está vinculado como Professor Permanente ao Mestrado Acadêmico em Educação (MEDUC) e ao Mestrado Profissional em Saúde da Família (ProfSaúde) da UNIR.

É líder do Grupo de Pesquisa HISTCULT " Educação, Psicologia Educacional e Processos Formativos" da UNIR, cujas linhas de pesquisa são 'Pesquisas Intervenção', 'Teoria Histórico-Cultural da Atividade', 'Produção de Saberes e a Formação Continuada de Professores' e 'Educação na Saúde'. Neste Grupo, é coordenador do Programa de Pesquisa “Educação e Psicologia Histórico-Cultural: investigações teórico-práticas de processos educativos na Amazônia Ocidental" e de Projetos de Pesquisa a ele vinculados.

Epifânia Barbosa da Silva, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Supervisora Escolar da Secretaria de Educação de Rondônia (SEDUC/RO). Especialista em Assuntos Educacionais da Secretaria Municipal de Educação de Porto Velho (SEMED). Porto Velho/RO - Brasil.

Referências

BARBOSA, Jorge; SACCOL, Amarolinda Z.; SCHLEMMER, Eliane. M-Learning E U-Learning: Novas Perspectivas Da Aprendizagem Móvel E Ubíqua. Pearson Brasil: São Paulo, 2010.

BAUER, Martin. W.; GASKELL, George. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: um manual prático. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2017.

CASTRO, Rafael F. de. A expressão escrita de acadêmicas de um curso de pedagogia a distância: uma intervenção Histórico-Cultural. 2014. 238f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2014.

CASTRO, Rafael F. de. Tecnologias Emergentes e Formação de Professores: o que as grades curriculares de cursos de Pedagogia sinalizam? In: Múltiplos Olhares sobre a Formação de Professores no Brasil. (Orgs.) SILVA, Marijâne S.; PEDROSA, Neide B.; ISOBE, Rogéria M. R. Porto Velho: EDUFRO, 2020.

DANIELS, Harry. Vygotsky e a Pedagogia. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

FCC INFORME 1. Fundação Carlos Chagas. Educação escolar em tempos de pandemia na visão de professoras/es da Educação Básica – Informe nº 1. Disponível em: <https://www.fcc.org.br/fcc/wp-content/uploads/2020/06/educacao-pandemia-a4_16-06_final.pdf >. Acesso em: 24 de agosto de 2020.

FCC INFORME 2. Fundação Carlos Chagas. Educação escolar em tempos de pandemia na visão de professoras/es da Educação Básica – Informe nº 2. Disponível em: <https://www.fcc.org.br/fcc/wp-content/uploads/2020/06/educacao-pandemia-a4_16-06_final.pdf >. Acesso em: 08 de novembro de 2020.

FREITAS, M. T. A. O pensamento de Vygotsky nas reuniões da ANPEd (1998-2003). Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 109-138, 2004.

GIL, Antônio C. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

GUIZZO, Bianca S.; MARCELLO, Fabiana A.; MÜLLER, Fernanda. A reinvenção do cotidiano em tempos de pandemia. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 46, e238077, 2020.

HARDLESS, C.; LUNDIN, J.; NULDÉN, U. Mobile Competence Development for Nomads. Anais do… Proceeding of the Hawaii International Conference on System Sciences, 34, Hawaii, 2002.

IBGE CIDADES. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE CIDADES. 2019. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro>. Acesso em: 11 set. 2020.

IDEB. Anos iniciais do ensino fundamental / Anos finais do ensino fundamental (Rede pública): Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) - Censo Educacional 2017. Disponível em: <http://ideb.inep.gov.br/resultado>. Acesso em: 12 set. 2020.

LUCENA, Simone. Culturas digitais e tecnologias móveis na educação. Educar em Revista, Curitiba, n. 59, p. 277-290, jan./mar. 2016.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência e Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003.

PRESTES, Zoia Ribeiro. Quando não é quase a mesma coisa: análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. 2010. 232f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Brasília, Brasília, Brasil.

RODRIGUES, Jadiael S. As tecnologias móveis como possibilidade de inovação no ensino de História: uma análise da aplicação do Projeto HMOBILE em uma escola pública no município de Candeias do Jamari/RO. 2018. 112. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, Brasil

SELAU, Bento; CASTRO, Rafael F. de. Cultural-historical approach: educational research in different contexts (Orgs.) Bento Selau da Silva Jr., Rafael Fonseca de Castro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015.

SMOLKA, Ana Luiza B. O (im)próprio e o (im)pertinente na apropriação das práticas sociais. Cadernos Cedes, n. 50, v. 20, 2000.

VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas Tomo III (Historia del Desarrollo de las Funciones Psíquicas Superiores). Madri: Visor, 1931/1995.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas II (Pensamiento Y Lenguaje). Moscú: Editorial Pedagógica, 1934/1982.

Downloads

Publicado

2021-01-06

Como Citar

CASTRO, R. F. de, & Barbosa da Silva, E. (2021). Processos formativos mediados por tecnologias emergentes no estado de Rondônia em tempos de pandemia: o que dizem os professores?. Revista Educar Mais, 5(1), 7-24. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2140