Movimento Physics First: uma herança positivista?

Autores

  • Neusa Teresinha Massoni Instituto de Física e Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul CEP 91501-970, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil http://orcid.org/0000-0002-1145-111X
  • Jenner Barretto Bastos Filho Instituto de Física e Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal de Alagoas CEP 57.072-970, Maceió, Alagoas, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.76-95.1685

Palavras-chave:

Movimento Physics First, Epistemologia, Positivismo, Ensino de Física.

Resumo

O objetivo precípuo deste trabalho é pesquisar eventuais e/ou reais influências exercidas pelo positivismo de lavra comtiana no movimento Physics First. Explora-se a semelhança da reivindicação veemente do movimento Physics First em prol de um ensino das ciências seguindo a ordem cronológica Física-Química-Biologia com a ordem ensejada pela classificação das ciências de Comte. Conexões entre os planos pedagógicos e epistemológicos são discutidas. Argumenta-se que embora a ciência e epistemologia modernas não respaldem a filosofia positivista que submete a imaginação e a conjectura a um estatuto inferior àqueles dos dados imediatos da observação, ainda assim há elementos bastante relevantes em ambos, no movimento Physics First e no positivismo, e que sugerem atalhos cognitivos e matrizes de pré-requisitos disciplinares compatíveis com uma crescente divisão social do trabalho. Assevera-se ainda que tal influência não deve ser demonizada

Biografia do Autor

Neusa Teresinha Massoni, Instituto de Física e Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul CEP 91501-970, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil


Jenner Barretto Bastos Filho, Instituto de Física e Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal de Alagoas CEP 57.072-970, Maceió, Alagoas, Brasil


Referências

AAPT - American Association of Physics Teacher. (2006). Physics First. An Informational Guide for Teachers, School Administrators, Parents, Scientists, and the Public. In: www.aapt.org/Policy/physicsfirst.cfm. Acesso em 19/10/2010.

ANDERSON, P. W., (1972) More is Different, Science, vol. 177, p. 393.

BASTOS FILHO, J. B. (2005), Reducionismo (Uma abordagem epistemológica), Maceió: Editora da Universidade Federal de Alagoas (EDUFAL)

BRAGA, M. GUERRA, A. & REIS, J. C. 2008. O Papel dos Livros Didáticos Franceses no Século XIX na Construção de uma Concepção Dogmático-Instrumental no Ensino de Física. Cad. Bras. Ens. Fís. Vol. 25, n. 3, pp. 507-522.

Disponível em: http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/9085/8453

BROCKINGTON, G. & PIETROCOLA, M., 2005, Serão as regras da transposição didática aplicáveis aos conceitos de física moderna?, Investigações em Ensino de Ciências, Vol. 10, n. 3, pp. 387-404, 2005. http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID136/v10_n3_a2005.pdf

CHEVALLARD, Y. La Transposición Didáctica: del saber sabio al saber enseñado. La Pensée Sauvage, Argentina, 1991.

COMTE, A. (1988, publicado originalmente em 1830). Os Pensadores, tradução de José Arthur Giannotti e Miguel Lemos. São Paulo: Nova Cultural.

COSTA, A. y DOMÈNECH, G. (2002). Distintas lecturas epistemológicas en tecnología y su incidencia en la educación. Enseñanza de las Ciencias, 20(1), p. 159-165.

FEYNMAN, R. P. ; LEIGHTON, R. B. ; SANDS, M., (1965) The Lectures on Physics, Vol. 1, Massaschusetts: Addison-Wesley, Reading.

GELL-MAN, M. (1996) O quark e o jaguar (As aventuras no simples e no complexo), Rio de Janeiro: Rocco.

HAMBURGER, J. (1992). Paixão e Razão, Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora S. A.

HOLT, R. (2002). What’s so special about science? The Physics Teacher, vol. 40, p. 135.

JUNGES, A. L.; SANTOS, V. Y.; MASSONI. N. T.; SANTOS, F. A. C. (2018). Efeito estufa e Aquecimento Global: uma abordagem conceitual a partir da física para educação básica. Experiências em Ensino de Ciências, vol. 13, n. 5, p. 126-151. http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID531/v13_n5_a2018.pdf.

KARNAL, L. et. al. (2010). História dos Estados Unidos das origens ao séc. XXI. São Paulo: Editora Contexto.

LAKATOS, I., (1979), O Falseamento e a Metodologia dos Programas de Pesquisa Científica, In: A Crítica e o Desenvolvimento do Conhecimento, Lakatos I. & Musgrave A, (Orgs.) São Paulo, Cultrix, Editora da Universidade de São Paulo, 1979, pp. 109-243

LEDERMAN, L.M. (2005). Physics first? The Physics Teacher, vol. 43, nº 1, p. 6-7.

MAMONE CAPRIA, M. (2004), Complessità, riduzionismo e teorie finali in fisica, Iride, ano XVII, n. 41, pp. 95-107

MASSONI, N. T. (2010). A Epistemologia contemporânea e suas contribuições em diferentes níveis de Ensino de Física: a questão da mudança epistemológica. Tese de Doutorado, IF-UFRGS.

MATTHEWS, M. R. (1995). História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, vol. 12, nº. 3, p. 164-214.

MATTHEWS, M. R. (2009a). Science, worldviews and education: an introduction. Science & Education, vol. 18, n. 6-7, p. 641-666.

MATTHEWS, M. R. (2009b). Teaching the philosophical and wordview components of science. Science & Education, vol. 18, n. 6-7, p. 697-728.

MAYR, E. (2005). Biologia, Ciência Única. São Paulo: Companhia das Letras, 266 p.

MOREIRA, M. A. (1999). Teorias de Aprendizagem. São Paulo: E.P.U., 195 p.

PENROSE, R., El camino a la realidad (una guía completa de las leyes de universo), México: Debate (1a impressão, 2008), [Título original The Road of Reality, publicado por Jonathan Cape, Londres, 2004].

RAICIK, A. C., & PEDUZZI, L. O. Q. (2015). Potencialidades e limitações de um módulo de ensino: uma discussão histórico-filosófica dos estudos de Gray e Du Fay. Investigações em Ensino de Ciências, 20(2), 138–160. DOI:10.22600/1518-8795.ienci2016v20n2p138.

RAPOSO, W. L.(2014). História e Filosofia da Ciência na Licenciatura em Física, uma proposta de ensino através da pedagogia de projetos. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 31(3), 722–738. DOI: 10.5007/2175-7941.2014v31n3p722.

RINALDI, E., & GUERRA, A. (2011). História da ciência e o uso da instrumentação: construção de um transmissor de voz como estratégia de ensino. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 28(3), 653–675. DOI: 10.5007/2175-7941.2011v28n3p653.

SHEPPARD, K., & ROBBINS, D. M.. (2003). Physics was once first and was once for all. The Physics Teacher, vol. 41, p. 420-423.

SHEPPARD, K., & ROBBINS, D. M. (2009). The “First Physics First” Movement, 1880-1920. The Physics Teacher, vol. 47, Issue 1, p. 46-50.

SCHWEBER, S. S., (1993) Physics, Community and the Crisis in Physical Theory, Physics Today, novembro de 1993, pp. 34-40

WEINBERG, S., (1994), Dreams of a final theory (The scientist’s search for the ultimate laws of Nature), New York: Vintage Books.

WILLIAMS, W.F. (1983). The responsibility of scientists. Physics Education, vol. 18, nº 3, p. 110/114.

Downloads

Publicado

2019-12-28

Como Citar

Massoni, N. T., & Bastos Filho, J. B. (2019). Movimento Physics First: uma herança positivista?. Revista Educar Mais, 4(1), 76-95. https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.76-95.1685

Edição

Seção

Artigos