A Reestruturação Curricular do curso de Licenciatura em Física da UFRGS: construção de novas identidades na formação docente inicial do século XXI

Autores

  • Neusa Teresinha Massoni Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
  • Magale Elisa Bruckmann Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
  • Alan Alves-Brito Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.1952

Palavras-chave:

Formação Inicial, Reestruturação Curricular, Licenciatura em Física

Resumo

Este artigo objetiva apresentar o processo de reestruturação dos currículos do curso de Licenciatura em Física do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul atendendo à Resolução CNE/CP 02/2015 do MEC. Apresentamos e analisamos ao longo do texto os documentos oficiais que geraram as modificações nos currículos e construímos uma linha histórica dos movimentos que resultaram na reestruturação, além de refletir os desafios que se foram colocando no processo de (re)construção curricular na perspectiva dos diferentes agentes envolvidos (gestores, professores e estudantes). Esperamos que a experiência aqui narrada possa ser útil ao processo de reformulação de outros cursos espalhados pelo Brasil, contribuindo não apenas para questionar o papel da legislação vigente, mas, sobretudo, para refletir as complexas relações de poder e os desafios à construção de uma identidade própria para a licenciatura.

Biografia do Autor

Neusa Teresinha Massoni, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Licenciada em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS (2000), Mestre em Física (ênfase: Ensino de Física) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005) e Doutora em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2010) na área de Ensino de Física. Atualmente é Professora Adjunta na Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS e docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física do Instituto de Física da UFRGS; editora adjunta da revista Investigações em Ensino de Ciências (UFRGS).

Magale Elisa Bruckmann , Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Licenciada (1987) e Bacharel (1994) em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS, Mestre em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1996) e Doutorado em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (não concluído). Atualmente é Professor Assistente, do Instituto de Física, lotada no Departamento de Física, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS e Coordenadora da Comissão de Graduação das Licenciaturas em Física.

Alan Alves-Brito , Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Bacharel em Física pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2002), Mestre (2004) e Doutor (2008) em Ciências (Astrofísica Estelar) pelo Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP. Foi pesquisador visitante em centros de pesquisa em Portugal e Alemanha. Realizou estágios de pós-doutorado (2008-2014) no Chile (PUC) e na Austrália (Swinburne University e Australian National University, onde também atuou como Super Science Fellow). Atualmente é Professor Adjunto no Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa, extensão, divulgação científica e gestão. Tem trabalhado em pesquisa (Programas de Pós-Graduação em Física e em Ensino de Física e no Núcleo de Estudos Africanos, Afro-Brasileiros e Indígenas) da UFRGS em temas voltados para a evolução química de diferentes populações estelares da Via Láctea, educação e divulgação de Astronomia e Física, incluindo questões decoloniais, étnico-raciais, de gênero e suas intersecções nas ciências exatas. Membro da União Astronômica Internacional, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Sociedade Astronômica Brasileira, Sociedade Brasileira de Física e Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as), foi eleito em 2014 Membro Correspondente da Academia de Ciências da Bahia. É diretor do Observatório Astronômico da UFRGS desde 2017. Coordena o PLOAD (Portuguese Language Office of Astronomy for Development) e é representante brasileiro no Office for Education, ambos da União Astronômica Internacional. É membro da diretoria da Sociedade Astronômica Brasileira (2018-2020) e integra os Grupos de Trabalho para Questões de Gênero e Equidade Racial da Sociedade Brasileira de Física. É autor de 2 livros de divulgação em ciências.

Referências

ALMEIDA, B. J.; SCHIMIGHEL, J. Avaliação sobre as causas da evasão escolar no ensino superior: estudo de caso no curso de Licenciatura em Física no Instituto Federal do Maranhão. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 167-178, 2011.

ARAUJO, R. S., VIANNA, D. M. A história da legislação dos cursos de Licenciatura em Física no Brasil: do colonial presencial ao digital a distância. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v 32, n 4, 2010.

ARROYO, M. Ciclos de desenvolvimento humano e formação de educadores, Educação & Sociedade, ano XX, nº 68, 1999.

BARROSO, M. F.; FALCÃO, E. B. M. Evasão Universitária: o caso do Instituto de Física da UFRJ. In: Encontro de Pesquisa em Ensino de Física, 9, 2004, Jaboticatubas, MG. Atas... São Paulo: SBF. Disponível: http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/epef/ix/sys/resumos/T0132-2.pdf. Acesso em 19 ago. 2019.

BOURDIEU, P. Escritos de Educação. In: NOGUEIRA, M.A.; CATANI, A. (Orgs.), Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

BRASIL. Decreto-Lei nº 1.190, de 4 de abril de 1939.

______. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 13 ago. 1971.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, v. 134, n. 248, 23 dez. 1996.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 1999.

______. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais PCN+ – Ensino Médio – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 2002.

______. Orientações Curriculares Para o Ensino Médio – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2006.

______. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Diretrizes Nacionais Curriculares para os Cursos de Física. Diário Oficial da União. Seção 1, p. 25, 7/12/2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES1304.pdf. Acesso em 04 abr. 2020.

______. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de Licenciatura, de Graduação Plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília, 2002a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf. Acesso e 04 abr. 2020

______. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Parecer nº CNE/CP 009/2001, aprovado em 05 mai. 2001(a). Brasília: Diário Oficial da União, Seção 1, p. 31, 18 jan. 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf. Acesso em 16 set. 2019.

______. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Diretrizes Nacionais Curriculares para os Cursos de Física. Parecer CNE/CES 1.304/2001. Brasília: Diário Oficial da União, Seção 1, p. 25, 07 dez. 2001(b). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES1304.pdf. Acesso em 10 set. 2019.

______. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 9, de 11 mar. 2002. Diretrizes Curriculares para os cursos de Bacharelado e Licenciatura em Física. Brasília: Diário Oficial da União, Seção 1, p. 1, 26 mar. 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES09-2002.pdf. Acesso em 19 set. 2019.

______. Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI. Diretrizes Gerais, Agosto 2007. Brasília: Documento elaborado pelo Grupo Assessor em complemento ao Decreto Presidencial nº 6.096, de 24 de abril de 2007. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/6096.pdf. Acesso em 10 set. 2019.

______. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Parecer CNE/CP 2/2015. Brasília: Diário Oficial da União, Seção 1, p. 13, 25 jun. 2015(a). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17625-parecer-cne-cp-2-2015-aprovado-9-junho-2015&category_slug=junho-2015-pdf&Itemid=30192.

______. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Brasília: Diário Oficial da União, Seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 jul. 2015(b).

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação. Porto: Porto Editora, 1994.

BRUNER, J. The Process of Education. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1960.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. O saber e o saber fazer dos professores. In: CASTRO, A. D.; CARVALHO, A. M. P. (Eds.). Didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p. 107-124, 2001.

CHARMAZ, K. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

CONAES - Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior, Resolução nº 01, 17 jun. 2010, Brasília. 2010.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2012.

DOURADO, L. F. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios, Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, n. 131, p. 21-39, 2015.

ELLIOTT, John. (1990). La Investigación-ación em Educación. Madrid: Morata.

FELICETTI, V. L.; CABRERA, S. F.; COSTA-MOROSINI, M. Aluno ProUni: impacto na instituição de educação superior e na sociedade. Revista Iberoamericana de Educación Superior (RIES), México, v. 5, n. 13, p. 21-39, 2014. Disponível em: http://ries.universia.net/index.php/ries/article/view/311. Acesso em 20 set. 2019.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FULLER, L. L. O caso dos exploradores da caverna. São Paulo: Livraria e Editora Universitária de Direito, 2008.

GATTI, B. A. Formação de Professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de Formação de Professores (RIFP), Itapetininga, v. 1, n.2, p. 161-171, 2016.

KRASILCHIK, M. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: EPU-Editora da Universidade de São Paulo, 1987.

LARROSA, J. Esperando não se sabe o quê: sobre o ofício de professor. 1a ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F. e TOSCHI, M. S. Educação Escolar: políticas, Estruturas e Organização. São Paulo: Cortez, 2012.

LIMA, P. R. M. J. Evasão no Ensino Superior de Física segundo a tradição disposicionista em Sociologia da Educação, 2013. Tese (Doutorado em Ensino de Física) – Instituto de Física - Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre.

MALACARNE, V; STRIEDER, D. M; LIMA, D. F. Ética, Ciência e Formação de Professores: a escola na sociedade contemporânea. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v.13, n.03, p.51-66, 2011.

MENEZES, L. C. Uma Física para o novo Ensino Médio. Física na Escola, São Paulo, v. 1, n. 1, 2000.

MENEZES, D. P. et al. A física da UFSC em números: evasão e gênero. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 35, n. 1, p. 324-336, 2018.

MICHA, D. N. et al. O novo currículo do Curso de Licenciatura em Física do CEFET/RJ, Campus Petrópolis. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 35, n. 2, 478 p. 478-517, 2018.

MORAES, K. R. M. Uma investigação exploratória sobre as implicações das experiências de primeiro semestre de curso na decisão de evadir ou persistir dos estudantes de licenciatura em física da UFRGS. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Física. Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física, Porto Alegre, RS, 2020.

MOREIRA, M. A. Ensino de Física no Brasil: Retrospectiva e Perspectivas. Revista Brasileira de Ensino de Físcia, São Paulo, v. 22, n. 1, 2000.

MOZENA, E. R.; OSTERMANN, F. Integração curricular por áreas com extinção das disciplinas no Ensino Médio: Uma preocupante realidade não respaldada. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 36, n. 1, 1403, 2014.

PACCA, J. L. A. Entendimento de conceitos e capacidade de pensamento formal. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 23-28, 1984.

PINHEIRO, L. A. O egresso da Licenciatura em Física: um estudo do perfil e desafios do educador na perspectiva das Diretrizes Curriculares Nacionais de 2015 para a formação de profissionais da educação básica. Tese (Doutorado em Ensino de Física, em fase final de escrita) – Instituto de Física, UFRGS, 2020.

ROGERS, C. R. Liberdade para Aprender. Belo Horizonte: Interlivros, 1977.

SILVA, T. T. Teorias do currículo: uma introdução crítica. Porto: Porto Editora, 2000.

______. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SANDÍN ESTEBAN, M. P. Pesquisa Qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH Editoraa, 2010.

SOUZA, C. D.; FILIPPO, D. de; CASADO, E. S. Impacto do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais Brasileiras (REUNI) na atividade investigativa: crescimento, qualidade e internacionalização. Em Questão, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 336-367, 2015.

UFRGS. CEPE - Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução 22/2012 (com base no Parecer 12/2012 da Comissão de Diretrizes do Ensino, Pesquisa e Extensão). Porto Alegre, 2012. Disponível em: http://www.ufrgs.br/sai/legislacao/arquivos/resolucao22_2012NDE.pdf. Acesso em 15 ago. 2019.

VILLANI, A. et al. Contribuições da Psicanálise para uma Metodologia de Pesquisa em Educação em Ciências. In: SANTOS, F. M. T; GRECA, I. M. (org.). A Pesquisa em Ensino de Ciências no Brasil e suas Metodologias. Ijuí, RS: UNIJUÍ, p. 323-390, 2006.

VILLANI, A., PACCA, J. L. A., FREITAS, D. Science teacher education in Brazil: 1950-2000. Science & Education, v.18, p.125-148, 2009.

ZIBAS, D. M. L. A reforma do Ensino Médio nos anos de 1990: o parto da montanha e as novas perspectivas. Revista Brasileira de Educação, n. 28, 2005.

Downloads

Publicado

2020-09-08 — Atualizado em 2020-09-09

Versões

Como Citar

Massoni, N. T., Bruckmann , M. E. ., & Alves-Brito , A. . (2020). A Reestruturação Curricular do curso de Licenciatura em Física da UFRGS: construção de novas identidades na formação docente inicial do século XXI. Revista Educar Mais, 4(3), 512-541. https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.1952 (Original work published 8º de setembro de 2020)

Edição

Seção

Artigos