Implicações do paradigma emergente na formação continuada dos (as) professores (as) da rede municipal de Palmas – TO em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2121

Palavras-chave:

Palavras-chave: Formação Continuada; Paradigma Emergente; Ensino Remoto.

Resumo

O trabalho tem como objetivo compreender como a rede municipal de Educação de Palmas – TO está desenvolvendo, no contexto da Pandemia do Covid-19, o processo formativo, de maneira que os professores sejam os protagonistas no ensino remoto. O procedimento adotado para alcançar o objetivo foi a abordagem qualitativa de pesquisa bibliográfica elencando referencias teóricos e empírico que alicerçam a discussão proposta. Pensar a formação continuada no enfoque ontológico a partir da complexidade e da transdisciplinaridade, em um cenário de desordem, incertezas e indeterminismo reafirmados pela pandemia, requer uma mudança profunda de natureza sistêmica fazendo as conexões necessárias entre ser humano, conhecimento e realidade. No momento atual, urge a necessidade de romper com o reducionismo que prevalecem nos processos de formação continuada dos profissionais de educação e os enfoques tradicionais que subsidiam suas práticas pedagógicas. Partindo desta conjuntura buscaremos compreender as possibilidades que a realidade quântica, princípio base do paradigma emergente, vem nos apresentado em relação à formação continuada de profissionais da educação diante a pandemia.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José de Pinho, Universidade Federal do Tocantins

Pós- doutora e Doutora em Educação. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Tocantins – UFT. Membro da Rede Internacional de Escolas Criativas (RIEC). Lattes: http://lattes.cnpq.br/7113857811427432. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2411-6580. E-mail: mjpgon@mail.uft.edu.br    

Marina Carla da Cruz Queiroz, UFT

Mestranda em Educação pela Universidade Federal do Tocantins – UFT. Membro do Grupo de Pesquisa em Rede Internacional de Escolas Criativas (RIEC) e professora da Educação Básica. Lattes: http://lattes.cnpq.br/4967625376932485. E-mail: marinacarlla@gmail.com

Jocyléia Santana dos Santos , Universidade Federal do Tocantins

Pós - doutora em Educação/UEPA, Doutora em História/UFPE. Mestre em História/UFPE. Coordenadora do Polo Tocantins do Doutorado em Educação na Amazônia – REDE EDUCANORTE/PGDEA, Coordenadora do Mestrado Acadêmico em Educação – PPGE/UFT. Lattes: http://lattes.cnpq.br/8198025782417839.  Programa: Programa de Pós-graduação em Educação PPGE – UFT. E-mail: jocyleiasantana@gmail.com

 

Referências

BEHRENS, M.A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2005.

BEHRENS, Marilda. O paradigma emergente e a prática pedagógica. 5 ed. Petrópolis, RJ: vozes, 2011.

CARVALHO, José Maurício. História da filosofia e tradições culturais: um diálogo com Joaquim de Carvalho. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

COLOM, Antoni J. A (des)construção do conhecimento pedagógico: novas perspectivas para a educação. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. 16 ed. Campinas, SP: Papirus, 1997.

MORAES, Maria Cândida. Pensamento eco-sistêmico: educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis: Vozes, 2004.

MORAES, M. C.; TORRES, S. Pesquisando a partir do pensamento complexo: elementos para uma metodologia de desenvolvimento eco-sistêmico. Educação, Porto Alegre, v. 29, n. 58, p. 145-172, 2006.

MORAES, M. C. Ecologia dos saberes: complexidade, transdisciplinaridade e educação: novos fundamentos para iluminar novas práticas educacionais. São Paulo: Antakarana/WHH – Willis Harman House, 2008.

MORAES, M. C.; VALENTE, J. A. Como pesquisar em educação a partir da complexidade e da transdisciplinaridade? São Paulo: Paulus, 2008.

MORAES, Maria Cândida; NAVAS, Juan Miguel Batalloso (Orgs.). Complexidade e transdisciplinaridade em educação: teoria e prática docente. Rio de Janeiro: Walk, 2010.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez: Brasília, D.F. UNESCO, 2000.

MORIN, Edgar. Educar na era planetária. O pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e incerteza humana. Tradução de Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2003.

MORIN, E. Cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand, Brasil, 2006.

MORIN, Edgar. O meu caminho. Entrevista com Djénane Kareh Tager. Lisboa: Instituto Piaget, 2008.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 4.ed. Porto Alegre, RS: Sulina, 2011.

NICOLESCU, B. O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo: Triom. 1999.

PINEAU, G.; PATRICK, P. Trandisciplinarité et formation. Paris: L´Harmattn, 2005.

PINEAU, Gaston. Temporalidade na formação: rumo a novos sincronizadores. Trad. Lucia Pereira de Souza. São Paulo: Trion, 2003.

SOMMERNAN, A. Formação e transdisciplinaridade: uma pesquisa sobre emergências formativas do CETRANS. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) - Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Nova Lisboa e à Université François Rabelais de Tours. Lisboa: 2003. Disponível em: https://run.unl.pt/handle/10362/400. Acesso em: 20 set. 2006.

TORRE, S. DE LA; BARRIOS, O. Curso de formação de educadores: estratégias didáticas inovadoras. São Paulo: Madras, 2002.

Downloads

Publicado

2021-01-06

Como Citar

Pinho, M. . J. de ., Queiroz, M. C. da C. ., & Santos , J. S. dos . (2021). Implicações do paradigma emergente na formação continuada dos (as) professores (as) da rede municipal de Palmas – TO em tempos de pandemia. Revista Educar Mais, 5(1), 157-166. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2121