Uma breve análise sobre o estágio remunerado: ato educativo ou força de trabalho precarizada?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.442-450.1921

Palavras-chave:

Estágio, Trabalho, Precarização, Flexibilização.

Resumo

O presente trabalho corresponde à fase inicial de uma pesquisa que elege para estudo a categoria estágio remunerado e tem como objetivo traçar uma breve discussão sobre o que o caracteriza e qual sua relação entre os atos educativo e laboral. Para desenvolver a pesquisa aplicamos um questionário, contendo quatorze perguntas, abertas e fechadas, para um grupo de seis estagiários do setor de manutenção de redes e computadores do IFSul – Campus Pelotas. Após, utilizamos como técnica de análise de dados a análise interpretativa buscando, indícios de precarização e exploração de mão de obra, através das motivações que levaram estes jovens a procurar o estágio e de que maneira ocorre seu relacionamento com os demais trabalhadores. Estes indícios apareceram na forma de hierarquia, diferença salarial frente a diferença ou igualdade de responsabilidades durante a prática do estágio dentre outras categorias que serão comentadas. A partir das respostas, constatamos que há, nesse grupo especificamente, indícios de precarização e exploração de mão de obra e que o estágio, nesse caso, deixa de lado sua função pedagógica.

Referências

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do Trabalho. São Paulo, Boitempo. 2007.

BERNARDO, Marcia Hespanhol. Trabalho duro, discurso flexível. São Paulo, Expressão Popular. 2009.

BRASIL. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm> Acesso em: 16 jul. 2020.

MÉSZÁROS, Istvan. A educação para além do capital. Tradução: Isa Tavares. 2.ed. - São Paulo, Boitempo. 2008.

PAULA, Pedro Delgado de. Contrato de estágio como meio fraudulento de contrato de trabalho. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 9, n. 200, 22 jan. 2004. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/4773> Acesso em: 6 nov. 2017.

VALERIANO, Maya D. Estágio precarizado. In: Anais. VI colóquio Internacional Marx e Engels – CEMARX. Campinas, nov. 2009.

Downloads

Publicado

2020-09-08

Como Citar

Freitas, A. C. de O. de, Rostas, M. H. S. G., & Teixeira, R. M. (2020). Uma breve análise sobre o estágio remunerado: ato educativo ou força de trabalho precarizada?. Revista Educar Mais, 4(2), 442-450. https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.442-450.1921

Edição

Seção

Artigos