Estudos sobre mostras científicas: levantamento de trabalhos apresentados em eventos da área de ciências

Autores

  • Guilherme Molinari Sacco UNESP
  • Monica Abrantes Galindo Professora Assistente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - São José do Rio Preto https://orcid.org/0000-0002-3649-5098
  • Ana Maria Klein Professora da Universidade Estadual Paulista, UNESP campus São José do Rio Preto e do Programa Multidisciplinar Interunidades de Pós Graduação Strictu Sensu: Ensino e Processos Formativos (UNESP São José do Rio Preto/Ilha Solteira e Jaboticabal). https://orcid.org/0000-0002-0004-1908

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2581

Palavras-chave:

Feiras de ciências, Mostras de Ciências, Exposição de Ciências, Ciências na educação básica

Resumo

O presente estudo tem por objetivo levantar e classificar as produções científicas voltadas às feiras e mostras cientificas registradas em anais de seis edições de três eventos nacionais: ENPEC (2017 e 2019), SNEF (2017 e 2019) e EPEF (2016 e 2018). Para tanto, utilizou-se como fonte de dados os anais de cada uma das edições disponibilizadas nos sites dos eventos. Foram levantados 31 trabalhos que foram classificados a partir das instituições dos pesquisadores, nível de ensino, foco da discussão (estudante, professor, evento). Os resultados demonstram que em relação ao total de trabalhos apresentados, apenas 1% voltaram-se à temática de feiras e mostras cientificas. A maior parte das produções são de instituições públicas da região sudeste. O foco dos trabalhos, em sua grande maioria, volta-se para os estudantes e questões relacionadas à aprendizagem e protagonismo. Conclui-se que este campo de pesquisa pode ser mais explorado dada a relevância de feiras e mostras cientificas para a aprendizagem de ciências, bem como para a socialização dos conhecimentos científicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Molinari Sacco , UNESP

Possui graduação em Física pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2021), Tem experiência na área de Física biológica e Físico-Química: Síntese e caracterização de nano materiais e também estudo/pesquisa e desenvolvimento de novos biomateriais para aplicações biomédicas, atuando principalmente nos seguintes temas: Síntese de novos cromosilicatos com estruturas mistas e suas aplicações como catalisadores em reações de conversão do glicerol; Síntese, caracterização e troca iônica com nanozeólitas Faujasíta (FAU) e Gismondina (GIS) e sua aplicação como agentes hemostáticos e desenvolvimento de agentes hemostáticos e antihemorrágicos a base de pectinas e seu uso

Monica Abrantes Galindo, Professora Assistente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - São José do Rio Preto

É licenciada em Física, Mestre em Ensino de Ciências e Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), atuando principalmente na área de formação de professores, ensino de Ciências / Física e questões etnico raciais e de gênero ligadas às relações das mulheres com as carreiras nas ciências exatas. Foi professora de Física da Rede Pública Estadual de São Paulo e coordenadora pedagógica da Rede Municipal de São Paulo. Atualmente é Professora Assistente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - São José do Rio Preto e colaboradora do Programa de Pós Graduação Strictu Sensu de Biociências (UNESP - São José do Rio Preto). Foi presidenta do Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres de São José do Rio Preto de 2017 a 2019 e coordenadora no mesmo período do Comitê de Ética em pesquisa com seres humanos da UNESP em São José do Rio Preto. Atualmente é coordenadora do NUPE - Núcleo Negro de Pesquisa e Extensão da UNESP, membro do Conselho Municipal Afro e do CDINN - Coletivo de Intelectuais Negras e Negros

Ana Maria Klein, Professora da Universidade Estadual Paulista, UNESP campus São José do Rio Preto e do Programa Multidisciplinar Interunidades de Pós Graduação Strictu Sensu: Ensino e Processos Formativos (UNESP São José do Rio Preto/Ilha Solteira e Jaboticabal).

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade de São Paulo, graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo, mestrado e doutorado em Educação (área temática psicologia e educação) pela Universidade de São Paulo. Professora da Universidade Estadual Paulista, UNESP campus São José do Rio Preto e do Programa Multidisciplinar Interunidades de Pós-Graduação Strictu Sensu: Ensino e Processos Formativos (UNESP São José do Rio Preto/Ilha Solteira e Jaboticabal). Assessora técnica da vice-reitoria (2021- atual). Líder do grupo de pesquisa CNPq - Direitos Humanos, educação e diversidades. Membro do Comitê de Ética na Pesquisa (2017-atual) Vice-coordenadora do GT de São Paulo da Rede Brasileira de Educação em Direitos Humanos. Coordenadora do curso de Pedagogia (2018-2020). Presidente da Comissão de Direitos Humanos UNESP/São Jose do Rio Preto (2017-atual). Coordenadora do GT do Núcleo Negro para Pesquisa e ExtensãoNUPE/Rio Preto (2015-2019). Membro do Conselho Consultivo do Observatório de Educação em Direitos Humanos da UNESP. Consultora ONU/PNUD; UNESCO em Educação e Direitos Humanos. Foi membro da Comissão Relatora das Diretrizes Nacionais de Educação em Direitos Humanos (DCNEDH) junto ao Conselho Nacional de Educação (CNE). Docente na USP - EACH (2005-2010). Consultora da UNESCO em programa de formação docente. Consultora do MEC no programa Ética&Cidadania e em Educação em Direitos Humanos. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em formação docente, atuando principalmente nos seguintes temas: educação em direitos humanos, formação moral, ética e cidadania, metodologias ativas de aprendizagem.

Referências

ARAÚJO, C. A. A. (2006). Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, 12(1). http://doi.org/10.19132/1808-5245121.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Ministério da Educação.Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. 3. versão. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79601-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-2&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 02 fev. 2021.

Brazilian Journal of Marketing – BJM Revista Brasileira de Marketing – ReMark Vol. 15, N. 2. Abril/Junho. 2016

COSTA, A. B., & ZOLTOWSKI, A. P. C. (2014). Como escrever um artigo de revisão sistemática. In S. Koller, M. C. P. P. Couto, & J. Van Hohendorff (Eds), Manual de produção científica (pp. 55-70). Porto Alegre: Penso.

CWTS, 2020. Centre for Science and Tecnhnology Studies, Lelden University, The Netherlands. Disponível em: < https://www.leidenranking.com/ranking/2020/list>. Acesso em: 12 mar. 2021

DE NEGRI, Fernanda; HERNANDEZ, Luis Carlos; ALVES, Priscila Mello. Fé no conhecimento: Como a humanidade enxerga a ciência e a tecnologia? IPEA - Centro de Pesquisa em Ciência, Tecnologia e Sociedade, 2019. Disponível em https://www.ipea.gov.br/cts/pt/central-de-conteudo/artigos/artigos/94-fe-no-conhecimento. Acesso em 13.mar.2021

ECHER, I. C. A revisão de literatura na construção do trabalho científico. Revista Gaúcha Enfermagem, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 5-20, 2001. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/ 4365/2324>. Acesso em: 02 fev. 2021.

ENPEC, 2019. XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Natal – RN. Disponível em: <http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xii-enpec>. Acesso em: 02 fev. 2021.

ENPEC, 2017. XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis – SC. Disponível em: <http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/index.htm>. Acesso em: 02 fev. 2021.

EPEF, 2016. XVI Encontro de Pesquisa e Ensino de Física. Natal – RN. Disponível em: < http://sbfisica.org.br/~fisica2016/>. Acesso em: 02 fev. 2021.

EPEF, 2018. XVII Encontro de Pesquisa e Ensino de Física. Campos do Jordão – SP. Disponível em: <http://www.sbfisica.org.br/~epef/xvii/index.php/pt/index.html>. Acesso em: 02 fev. 2021.

GONÇALVES, T. V. O. Feiras de Ciências e Formação de Professores. In: In: PAVÃO, A.C.; FREITAS, D. (Org.). Quanta ciência há no Ensino de Ciências? São Carlos: EDUFSCAR, 2011.p. 207-215.

MANCUSO, R; LEITE FILHO, I. Feiras de Ciências no Brasil: uma trajetória de quatro décadas. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Programa Nacional de Apoio às Feiras de Ciências da Educação Básica Fenaceb. Brasília, DF, 2006. p. 11-43.

NEVES, S. R. G.; GONÇALVES, T. V. O. Feiras de Ciências. Cad. Cat. Ens. Fís. Florianópolis, v.6, n. 3, p. 241-247, 1989.

SACRISTÁN, J.G. Tendências investigativas na formação de professores. In PIMENTA, Selma Garrido. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E.(orgs) Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2006

SNEF, 2017. XXII Simpósio Nacional de Ensino de Física. São Carlos – SP. Disponível em: <http://www.sbfisica.org.br/~snef/xxii>. Acesso em 02 fev. 2021.

SNEF, 2019. XXIII Simpósio Nacional de Ensino de Física. Salvador – BA. Disponível em: <http://www.sbfisica.org.br/~snef/xxiii>. Acesso em 02 fev. 2021.

Downloads

Publicado

2021-08-19

Como Citar

Sacco , G. M. ., Galindo, M. A. ., & Klein, A. M. . (2021). Estudos sobre mostras científicas: levantamento de trabalhos apresentados em eventos da área de ciências. Revista Educar Mais, 5(5), 972-989. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2581

Edição

Seção

Artigos