Concepções de Ciências de professoras que atuam na Educação Infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2406

Palavras-chave:

Formação continuada, Natureza da Ciência, Desenvolvimento Infantil

Resumo

O presente artigo contempla um estudo sobre algumas concepções que foram indiciadas por sete professoras que atuam na Educação Infantil ao responderem um questionário com uma questão aberta que se referia sobre como elas percebem o ensino de Ciências na Educação Infantil. Os dados coletados foram analisados por meio da Análise Textual Discursiva (MORAES; GALIAZZI, 2006) que possibilitou uma impregnação com o texto e, utilizamos categorias a priori já apontadas na literatura sendo elas: Instituição, Conhecimento e Método. Foi possível indiciar com mais ênfase uma compreensão de Ciência como Método, seguida pela do Conhecimento e, a que teve menos indícios foi a de Instituição. Os resultados indicam a necessidade de um contínuo processo de formação continuada para ampliar e qualificar as compreensões sobre o que é Ciências para assim qualificar o seu ensino e a prática pedagógica.

Biografia do Autor

Rosanara Bourscheid, Universidade Federal da Fronteira Sul - Cerro Largo

Mestranda em Ensino de Ciências - Universidade Federal Fronteira Sul – UFFS Campus Cerro Largo-RS. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2004). Especialização em Mídias na Educação (2011) e Especialização em Docência na Educação Infantil (2016), as duas especializações pela Universidade Federal de Santa Maria. Atualmente é professora da Escola Municipal de Educação Infantil Doce Infância em Senador Salgado Filho.Sul - Campus Cerro Largo.

Judite Scherer Wenzel, Universidade Federal da Fronteira Sul - Cerro Largo

Doutora em Educação nas Ciências e Professora Adjunta da Universidade Federal da Fronteira Sul- Campus Cerro Largo. https://orcid.org/0000-0002-6601-2990

Referências

ARCE, Alessandra; SILVA, Debora A. S. M. da; VAROTTO, Michele. Ensinando ciências na educação infantil. Campinas SP: Alínea, 2011.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília : MEC, SEB, 2010

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de; PÉREZ, Daniel Gil. Formação de professores de ciências: tendências e inovações.10 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CHALMERS, Alan. F. O que é ciência, afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993.

FIORETTI, Elena Campo. Desafios e possibilidades para a formação continuada de professores de crianças de 4 e 5 anos para a literacia científica no Município de Amajari, Roraima. Tese (Doutorado em Educação de Ciências e Tecnologia) - Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Ciências e Tecnologia “Júlio de Mesquita Filho”, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2018.

HAI, Alessandra Arce; SILVA, Debora. A. S. M; VAROTTO, Michele.; MIGUEL, Carolina Costa. Ensinando Ciências na Educação Infantil. 2 ed. Campinas, SP: Editora Alínea, 2020.

HARRES, João Batista Siqueira. Uma Revisão de Pesquisas nas Concepções de Professores sobre a Natureza da Ciência e suas implicações para o Ensino. Investigações em Ensino de Ciências – V4(3), pp. 197-211, 1999.

MOURA, Breno Arsioli. O que é natureza da Ciência e qual sua relação com a história e filosofia da Ciência. Revista Brasileira de História da Ciência, v. 7, n. 1, p. 32-46, 2014.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: Abordagens Qualitativas, São Paulo: EPU,1986.

MACHADO, Andreia de Bem. Concepções de ciência entre professores das séries iniciais do ensino fundamental em Florianópolis, SC e suas relações com o ensino de ciências, 2007.

MORAES, Roque.; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. In Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 117–128, 2006.

MORAES, Roque.; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. 2. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011.

PRAIA. João.; CACHAPUZ, Antônio; GIL-PÉREZ, Daniel. A Hipótese E A Experiência Científica Em Educação Em Ciência: Contributos Para Uma Reorientação Epistemológica. In Ciência & Educação, v. 8, n. 2, p. 253-262, 2002.

UJIIE, Nájela Tavares. Formação continuada de professores da educação infantil num enfoque CTS. Tese (Doutorado em Ensino de Ciência e Tecnologia) - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2020.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. Tradução Jeferson Luiz Camargo, revisão técnica José Cipolla Neto. São Paulo: Martins Fontes, 135 p, 1993.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

Bourscheid, R., & Scherer Wenzel, J. (2021). Concepções de Ciências de professoras que atuam na Educação Infantil. Revista Educar Mais, 5(4), 744-754. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2406

Edição

Seção

Artigos