As Tecnologias da Informação e Comunicação como possibilidade para a gestão da informação no âmbito da política de assistência estudantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2387

Palavras-chave:

Assistência estudantil, Políticas públicas, Tecnologias da informação e comunicação, Gestão da informação, Ensino superior

Resumo

A assistência estudantil, que se materializa pelo Decreto nº 7.234/2010, tem por finalidade ampliar as condições de permanência e contribuir para o êxito estudantil. Para isso, oferta uma multiplicidade de ações e exige a intervenção de profissionais de diversas áreas, que precisam de dados dos estudantes para atendê-los nas suas necessidades individuais e coletivas. Este artigo objetiva discutir a importância do uso das TICs na gestão da informação no âmbito da política de assistência estudantil, visto que o uso de ferramentas inteligentes pode possibilitar a otimização da coleta, sistematização e integração dos dados estudantis. Utilizando uma abordagem qualitativa, a presente pesquisa é do tipo bibliográfica e documental, elaborada a partir de produções teóricas presente em artigos, dissertações e documentos públicos que versam sobre a temática. Concluiu-se que a utilização das TICs como ferramenta de gestão da informação na assistência estudantil é incipiente e se revela uma necessidade, uma vez que possibilitam uma melhor organização das informações, facilitando a tomada de decisões e qualificando os serviços ofertados.

Biografia do Autor

Sheila de Sousa Teodosio, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Assistente Social no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia -IFCE - campus Cedro; Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica pelo IFCE - campus Fortaleza; Especialista em Políticas Públicas, Gestão e Serviço Sociais pela Universidade Candido Mentes (UCAM); Bacharela em Serviço Social pelo IFCE - campus Iguatu.

Dheysa Paulo Parente, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará- IFCE. Especialista em Gestão Escolar e Coordenação Pedagógica. Graduada em História e Pedagogia, atualmente trabalha como professora da Rede Municipal de Educação de Fortaleza-CE.

Francisco Régis Vieira Alves, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Possui graduação em Bacharelado em Matemática pela Universidade Federal do Ceará (1998), graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Ceará (1997), mestrado em Matemática Pura pela Universidade Federal do Ceará (2001) e mestrado em Educação, com ênfase em Educação Matemática, pela Universidade Federal do Ceará (2002). Doutorado com ênfase no ensino de Matemática (UFC - 2011). Atualmente é professor TITULAR do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do estado do Ceará/ IFCE.

Referências

ARAUJO, S. A. de L. Análise da efetividade da política de assistência estudantil no Instituto Federal do Ceará campus Iguatu, na garantia das condições de permanência no ensino superior. Dissertação (Mestrado Profissional em Políticas Públicas e Gestão da Educação Superior). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.

BARBOSA, R. R. Gestão da Informação e do Conhecimento: Origens, Polêmicas e Perspectivas. Inf. Inf., Londrina, v. 1, n. esp., p. 1 - 25, 2008.

BATISTA M. V. et al. Sistema de Informação dos Atendimentos da Coordenação de Apoio Pedagógico ao Discente. In: Encontro Nacional de Computação dos Institutos Federais, 5, 2018, Natal. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2018. Disponível em: https://sol.sbc.org.br/index.php/encompif/article/view/3563. Acesso em 10 abr. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em: 18 mar. 2021.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11892.htm. Acesso em: 19 mar. 2021.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 19 mar. 2021.

BRASIL. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em 19 mar. 2021.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. ProUni - apresentação. Brasília, DF, 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/prouni-sp-1364717183#:~:text=O%20Programa%20Universidade%20para%20Todos,institui%C3%A7%C3%B5es%20privadas%20de%20educa%C3%A7%C3%A3o%20superior. Acesso em: 19 mar. 2021.

BRASIL. Decreto nº 7. 234, de 19 de julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7234.htm. Acesso: 20 de mar. 2021.

COSTA, S. G. A equidade na educação superior: uma análise das Políticas de Assistência Estudantil. Dissertação (Mestrado em Sociologia) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas da Pesquisa Social. 6ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

IMPERATORI, T. K. A trajetória da assistência estudantil na educação superior brasileira. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 129, p. 285-303, maio/ago., 2017.

KOWALSKI, A. V. Os (Des)Caminhos da Política de Assistência Estudantil e o Desafio na Garantia de Direitos. Tese (Doutorado em Serviço Social) - Faculdade de Serviço Social, PUCRS, Porto Alegre, 2012.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 5ª ed. - São Paulo: Atlas, 2003.

MARCHIORI, P. Z. A ciência e a gestão da informação: compatibilidades no espaço profissional. Ci. Inf., Brasília, v. 31, n. 2, p. 72-79, maio/ago., 2002. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/962. Acesso em: 20 mar. 2021.

MARR, B. 20 fatos sobre a internet que você (provavelmente) não sabe. Forbes Brasil. São Paulo, 1 de out. 2015. Disponível em https://forbes.com.br/fotos/2015/10/20-fatos-sobre-a-internet-que-voce-provavelmente-nao-sabe/. Acesso em: 10 abr. 2021.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. O que é Reuni. Brasília, 2010. Disponível em <http://reuni.mec.gov.br/o-que-e-o-reuni>. Acesso em 19 de nov. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria n° 389, de 9 de maio de 2013. Cria o Programa de Bolsa Permanência e dá outras providências. Disponível em: http://sisbp.mec.gov.br/docs/Portaria-389_2013.pdf. Acesso em 19 mar. 2021.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Interoperabilidade. Brasília, 2020. Disponível em: https://www.mma.gov.br/informma/item/869-interoperabilidade-o-que-%C3%A9. Acesso em: 20 mar. 2021.

NASCIMENTO, C. M. do. Assistência Estudantil e Contrarreforma Universitária nos Anos 2000. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) –Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

RODRIGUES, S. C.; SILVA S. B. C. da. Sistematização e informatização na assistência estudantil: mapear vulnerabilidades para fortalecer a permanência e o êxito. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.1, p. 2859-2876 Jan. 2021. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/22850. Acesso em 07 fev. 2021.

SANTOS, A. dos. Tecnologias de Informação e Comunicação: limites e possibilidades no ensino superior. In: Anuário da Produção Acadêmica Docente, São Paulo, v. 5, n. 12, 2011. Disponível: https://repositorio.pgsskroton.com/bitstream/123456789/1463/1/Artigo%209.pdf. Acesso em 10 abr 2021.

SANTOS, L. C. dos. Análise da política de assistência estudantil nos institutos federais: um estudo comparativo entre o Instituto Federal da Bahia, campus Salvador e do Amapá, campus Macapá. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia., Salvador, 2019.

SPINOLA, L. H. de O. Gestão da Informação: conceitos, aplicabilidade, desafios e perspectivas da área – a ótica do bibliotecário. Trabalho de conclusão de curso (graduação) – Universidade de Brasília, Faculdade de Ciência da Informação, Bacharelado em Biblioteconomia, Brasília, 2013.

TERENCIANO, F.; SALIÃO, A.; PEDRO, Z. Uso da Gestão da Informação e do Conhecimento na Avaliação da Política Pública de Assistência Estudantil: algumas questões teóricas e empíricas. Regae: Rev. Gest. Aval. Educ., Santa Maria, v. 7, n. 14, p. 49-62, jan./abr. 2018.

TONSIG, S. L. Engenharia de Software – Análise e Projeto de Sistemas. 2ª ed., Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., 2008.

VASCONCELOS, Natália. Programa Nacional de Assistência Estudantil: uma análise da assistência estudantil ao longo da história da educação superior no Brasil. Revista da Católica, Uberlândia, v. 2, n. 3, p. 399-411, 2010.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

Teodosio, S. de S. ., Paulo Parente, D., & Vieira Alves, F. R. (2021). As Tecnologias da Informação e Comunicação como possibilidade para a gestão da informação no âmbito da política de assistência estudantil. Revista Educar Mais, 5(4), 714-730. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2387

Edição

Seção

Artigos