A invisibilidade da mulher negra na Ciência: uma análise a partir de livros didáticos de Ciências e Biologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2285

Palavras-chave:

Ensino de ciências e biologia, Feminismo, História da ciência, Relações étnico-raciais

Resumo

A perpetuação do discurso racista e machista na sociedade atual tem influência em todas as áreas e, em especial, na área científica.  O presente trabalho objetivou investigar a presença de mulheres negras na história da Ciência, por meio da análise de duas coleções de livros didáticos de Ciência e Biologia. Os livros de Ciências e Biologia analisados foram os do último programa Nacional de livro didático (PNLD), adotados por escolas do município de Cruzeiro do Oeste (PR). Os resultados demonstraram a ausência de relatos sobre a presença de mulheres negras da Ciência. Por fim, com a finalidade de instrumentalização para o ensino na Educação Básica, o presente estudo apresenta uma relação de cientistas negras nas mais diferentes áreas das Ciências Biológicas.

Biografia do Autor

Marcelo Alberto Elias, IFPR - Umuarama

Doutorando em Ensino de Ciências e Matemática (PECIM) - Unicamp, mestre em Biologia das Interações Orgânicas (PGB) - UEM, especialista em Biotecnologia (UEM), licenciado em Ciências Biológicas (UNINGÁ) e professor EBTT no Instituto Federal do Paraná - IFPR, atuando na educação básica/técnica e na formação de professores de Ciências e Biologia.

Ana Caroline de Oliveira Pereira, Instituto Federal do Paraná - IFPR

Licencianda do Curso de Ciências Biológicas - IFPR/Umuarama. http://orcid.org/0000-0002-0831-9089

Referências

ALVES, F. C. S.; LEITE, M. J. S. A história e cultura afro-brasileira nos livros didáticos de arte e língua portuguesa/ literatura. Educação em Debate, Fortaleza, n. 76, p. 40. Maio./ago. 2018. Disponível em:[http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/38480/3/2018_art_fcsalvesmjsleite.pdf]. Acesso 26 de mar.2020.

BARRAZO, M. B. A invisibilidade das mulheres negras e o branqueamento do território nos livros didáticos de geografia sob a ótica da lei 10.639/03. Encrespando, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, julh.2017. Disponível em:[https://encrespando.jur.puc-rio.br/index.php/files/article/view/8/8]. Acesso em 23 de nov.2020.

CARDOSO, C. P. Experiências de mulheres negras e o feminismo negro no Brasil. Revista da ABPN, Bahia, v. 10, n. 25, p. 217-328, mar./junh. 2018. Disponível em:[http://www.scielo.br/pdf/ref/v26n1/1806-9584-ref-26-01-e51328.pdf]. Acesso em 23 de mar. 2020.

CARNEVALLE, M. R. Ciências (Ensino Fundamental I). Arariba mais. 1° Edição. São Paulo: Moderna, 2018.

COSTA, M. C. Ainda somos poucas. Exclusão e invisibilidade na ciência. Cad.Pagu, Campinas, n.27, jul/dez.2006. Disponível em:[https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332006000200018&lng=pt&tlng=pt]. Aceso em 25 de nov.2020.

DURKHEIM, É. Educação e Sociologia. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1975.

ROCHA, E. Notas sobre o status de mulheres negras no pós- abolição em barbados a partir de um femicídio. Dossiê, São Paulo, v. 38. 2019. Disponível em:[http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742019000100308]. Acesso em 23 de mar. 2020.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: Brasil- 2019. Disponível em: [https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18282-populacao-chega-a-205-5-milhoes-com-menos-brancos-e-mais-pardos-e-pretos] . Acesso em 18 de Mar. 2020.

JÚLIO, C. O. V.; SILVIO, L. A. O pacto de todos contra os escravos no Brasil Imperial. Direitos e Praxis. Rio de Janeiro, v. 10, n. 03, p. 2137-2160, Jul. 2019. Disponível em:[ http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-89662019000302137]. Acesso em:19 mar. 2020.

LINHARES, K. O Corpo da Mulher Negra: a dualidade entre o prazer e o trabalho. IV SIES. Maringá. Abril.2015. Disponível em: [http://www.sies.uem.br/trabalhos/2015/623.pdf]. Acesso em 18 de nov.2020.

LINHARES, S.; GEWANDSZNAJDER, F. Biologia hoje. Atica. 2 edição, 2013.

MAÍSA, F. C. Casamentos mistos: entre a escravidão e liberdade Franca-São Paulo/ Brasil, Século XIX. Rev.Bras. Estud. Populb, São Paulo, v. 34, n. 02, p.223-242, maio. 2017. Disponível em:< [http://www.scielo.br/pdf/rbepop/v34n2/0102-3098-rbepop-34-02-00223.pdf]. Acesso em : 19 mar. 2020.

MATOS, M. Teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Estudos Feministas, Florianópolis, v.16, n.2, p. 440, maio/agosto.2008. Disponível em:[https://www.scielo.br/pdf/ref/v16n2/03.pdf]. Acesso em:19 de nov.2020.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa social:teoria, método e criatividade.30. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

NASCIMENTO, A. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 3.ed. São Paulo: Perspectivas, 2016.

OSORIO, T. C. Biologia, 1° ano: ensino Médio. Ser protogonista. 2 edição, São Paulo.

SILVA, A. F.; FERREIRA, H. C.; VIERA, C. A. O ensino de ciências no fundamental e médio: reflexões e perspectivas sobre a educação transformadora. Exitus. Santarém, v. 7, n. 2, p. 283-304. Maio./Ago 2017. Disponível em:[ http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/314/262.] Acesso em 01 de abril 2020.

SILVA, E. R. L.; ALVES, L. F. A.; GIANNOTTI, S. M. Análise do conteúdo de artrópodes em livros didáticos de biologia do ensino médio e o perfil do professor: estudo de caso. Varia Scientia, Cascavel. v. 6, n.11, p. 83-98. Ago.2006. Disponível em :[http://e-revista.unioeste.br/index.php/variascientia/article/viewArticle/709].Acesso 26 de mar. 2020.

TRAGTERBER, M. A escola como organização complexa. Educ Soc, Campinas, v. 29, n. 142, p. 188-202, Jan-Mar, 2018. Disponível em: [http://www.scielo.br/pdf/es/v39n142/1678-4626-es-39-142-183.pdf ]. Acesso em 25 de mar. 2020.

VIGANO, S. M. M.; LAFFIN, S. M. M. Mulheres, políticas e públicas e combate á violência de gênero. Dossiê, São Paulo, v. 38, 2019. Disponível em:[http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742019000100311 ].Acesso em 23 de mar. 2020.

WASCHINEWKI, S. C.; RABELO, G.; ALVES, I. G. Gênero e a invisibilidade da mulher nos livros didáticos de geografia do ensino médio no sul de Santa Catarina. Inter-Ação, Goiânia, v. 42, n.3, p. 572-589,set/dez 2017. Disponível em: [file:///C:/Users/Usuario/Downloads/48855-Texto%20do%20artigo-222507-1-10-20180605%20(3).pdf]. Acesso em 17 de nov.2020

WERNECK, J. Nossos passos vêm de longe! Movimentos de mulheres negras e estratégias políticas contra o sexismo e o racismo. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 1, n. 1, p. 07-17, jun. 2010. Disponível em: [file:///C:/Users/Usuario/Downloads/iheid-6316%20(1).pdf]. Acesso em 17 de nov.2020

Downloads

Publicado

2021-04-03

Como Citar

Elias, M. A., & Pereira, A. C. de O. (2021). A invisibilidade da mulher negra na Ciência: uma análise a partir de livros didáticos de Ciências e Biologia. Revista Educar Mais, 5(3), 491-499. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2285

Edição

Seção

Artigos