Educação Superior: o que motiva a escolha pelos cursos de Engenharia?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2136

Palavras-chave:

Educação Superior, Escolha do curso, Engenharia

Resumo

A temática do artigo relaciona-se à escolha da profissão de engenheiro. Nos últimos anos tem diminuído a procura por esta graduação e o número de concluintes vem reduzindo, o que aponta para um possível colapso nas engenharias. O objetivo de pesquisa corresponde a identificar aspectos relacionados à escolha de cursos quando do ingresso na Educação Superior. A questão central feita aos estudantes é: Por que você escolheu ingressar neste curso? A metodologia é de natureza qualitativa. Os participantes foram estudantes de cursos de engenharia que estavam cursando disciplinas de expressão gráfica. Obteve-se como resultado duas categorias que diferenciam as escolhas. A primeira categoria foi associada com a afinidade com o curso, e está relacionada às características peculiares de cada curso e dos próprios estudantes. A segunda aponta para a perspectiva profissional envolvendo aspectos como status da profissão, reconhecimento social e a remuneração e vinculação com o mercado de trabalho. Concluímos que existe uma correlação entre a identificação do aluno com o curso e a sua motivação que se relaciona as suas características individuais, de modo que sua satisfação com o curso e o seu crescimento profissional faz com que almeje alcançar a conclusão desta graduação.

Biografia do Autor

Breno Arno Hoernig Junior, Universidade La Salle

Doutorando em Educação pela Universidade La Salle. Mestre em Engenharia e integrante do grupo de pesquisa Gestão Educacional nos diferentes contextos.

Vera Lucia Felicetti, Universidade La Salle

Doutora em Educação. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade La Salle, Canoas/RS.

Paulo Fossatti, Universidade La Salle

Doutor em Educação. Reitor da Universidade La Salle, Canoas/RS e docente do PPG Educação desta universidade. Líder do grupo de pesquisa Gestão Educacional nos diferentes contextos.

Referências

AASA, American Association of Scholl Administrators. Learning styles: Putting research and commom sense into practice. Arlington, VA: 1991.

BERGAMINI, Cecília Whitaker. Motivação: uma viagem ao centro do conceito. GV EXECUTIVO, v. 1, n. 2, p. 63-67, 2003. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/gvexecutivo/article/view/34822. Acesso em: 18 ago 2020.

DIAS, George Paulus Pereira; SAUAIA, Antonio Carlos Aidar; YOSHIZAKI, Hugo Tsugunobu Yoshida. Estilos de aprendizagem Felder-Silverman e o aprendizado com jogos de empresa. Revista de administração de empresas, v. 53, n. 5, p. 469-484, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-75902013000500005&script=sci_arttext. Acesso em: 14 ago 2020.

FELICETTI, Vera Lucia; GIRAFFA, Lucia Maria Martins. Auxiliando a Evitar a Formação do Sentimento de Matofobia: um desafio constante In: XIV Encontro nacional de didática e prática de ensino, 2008, Porto Alegre. Anais… Trajetórias e Processos de Ensinar e Aprender: lugares, memórias e culturas. Porto Alegre: EDIPUCRS, v. CD-1.

FELICETTI, Vera Lucia. Comprometimento do estudante: Um Elo Entre Aprendizagem E Inclusão Social Na Qualidade Da Educação Superior. Porto Alegre: PUCRS. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2011. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/3708. Acesso em: 04 ago 2020.

FELDER, Richard M. et al. Learning and teaching styles in engineering education. Engineering education, v. 78, n. 7, p. 674-681, 1988. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/a100/c5a533d61342b9ce6024023608e7398f9a20.pdf. Acesso em: 11 set. 2020.

FELDER, Richard M.; HENRIQUES, Eunice R. Learning and teaching styles in foreign and second language education. Foreign language annals, v. 28, n. 1, p. 21-31, 1995. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1944-9720.1995.tb00767.x. Acesso em: 11 set. 2020.

FELDER, Richard M. Matters of style. ASEE prism, v. 6, n. 4, p. 18-23, 1996. Disponível em: http://www2.eesc.usp.br/aprende/images/arquivos/Matters_of_Style.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

FELDER, Richard M.; FELDER, Gary N.; DIETZ, E. Jacquelin. The effects of personality type on engineering student performance and attitudes. Journal of engineering education, v. 91, n. 1, p. 3-17, 2002. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/j.2168-9830.2002.tb00667.x. Acesso em: 14 set. 2020.

FELDER, Richard M.; BRENT, Rebecca. Understanding student differences. Journal of engineering education, v. 94, n. 1, p. 57-72, 2005. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/j.2168-9830.2005.tb00829.x. Acesso em: 20 set. 2020.

INEP, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resumo Técnico: Censo da Educação Superior de 2013. Brasília, 2014. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/apresentacao/2014/coletiva_censo_superior_2013.pdf. Acesso em: 10 out. 2020.

KOLB, A. David. Learning Styles and Disciplinary Differences. 1ª ed. 1981.

LLOYD, Christina. Inovação e Qualidade na Educação a Distância na Universidade Aberta, RU. In: AUDY, Jorge Luis Nicolas; MOROSINI, Marilia Costa. Inovação e Qualidade na Universidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

MOROSINI, Marília Costa. Enciclopédia de Pedagogia Universitária. Glossário vol.2 INEP /RIES, 2006. Disponível em: http:www.inep.gov.br/pesquisa/publicações. Acesso em 12 set. 2020.

MAGALHÃES, Mauro de Oliveira; MARTINUZZI, Verônica; TEIXEIRA, Marco Antônio P. Relações entre estilos cognitivos e interesses vocacionais. Revista Brasileira de Orientação Profissional, v. 5, n. 2, p. 11-20, 2004. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902004000200003. Acesso em 17 out. 2020.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análises Textual Discursiva. Ijui: Editora UNIJUÍ, 2007.

MOUNT, Michael K. et al. Higher‐order dimensions of the big five personality traits and the big six vocational interest types. Personnel psychology, v. 58, n. 2, p. 447-478, 2005. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1744-6570.2005.00468.x. Acesso em 19 out. 2020.

OLIVEIRA, Ricardo Rocha et al. Índice de reprovações no curso de Engenharia Civil da Unioeste e sua ligação com as dificuldades encontradas pelos alunos ingressantes. In: Congresso brasileiro de educação em engenharia – COBENGE, Juiz de Fora, MG. Anais… Juiz de Fora, MG: Congresso brasileiro de educação em engenharia – COBENGE, 2014.

PILOTTI, Márcio; CUNHA, Gládis Franck da; PARMEGIANI, Roselice. Reflexões sobre a disciplina de Matemática Fundamental e o aprendizado de Cálculo em Cursos de Engenharia. In: Congresso brasileiro de educação em engenharia – COBENGE, Juiz de Fora, MG. Anais… Juiz de Fora, MG: Congresso brasileiro de educação em engenharia – COBENGE, 2014.

SPOKANE, Arnold R.; MEIR, Elchanan I.; CATALANO, Michele. Person–environment congruence and Holland's theory: A review and reconsideration. Journal of vocational behavior, v. 57, n. 2, p. 137-187, 2000. Disponível em: https://www.academia.edu/download/46214191/jvbe.2000.177120160603-11365-1urpsg2.pdf. Acesso em 21 out. 2020.

TINTO, Vicent. Completing College Rethinking Institution Action. Ed. UChicago Press: Chicago USA., 2012.

Downloads

Publicado

2021-01-08

Como Citar

Arno Hoernig Junior, B. ., Lucia Felicetti, V. ., & Fossatti, P. (2021). Educação Superior: o que motiva a escolha pelos cursos de Engenharia?. Revista Educar Mais, 5(2), 232-248. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2136

Edição

Seção

Artigos