Corporeidade nas aulas de Educação Física de uma escola no Vale do Jequitinhonha em Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.428-441.1833

Palavras-chave:

Educação Física, Corporeidade, Corpo.

Resumo

A Educação Física é um componente curricular obrigatório durante a Educação Básica, neste período a percepção da corporeidade deveria ser um fator importante para a compreensão do corpo de forma ampla. Desta forma, este trabalho tem como objetivo central analisar como alunos(as) e professoras do Ensino Médio, de uma escola estadual do Vale do Jequetinhonha (Minas Gerais) identificam a vivência da corporeidade durante as aulas de Educação Física e como conceituam corporeidade. Este estudo caracteriza-se por ser uma pesquisa descritiva de abordagem qualitativa. Utilizando dois questionários, um para cada grupo investigado, um grupo de 13 (treze) alunos(as) do 3º ano do Ensino Médio, e outro com 2 (duas) professoras de Educação Física que atuam na escola pesquisada. A partir da análise do conteúdo, concluímos que a corporeidade ainda tem o seu conceito e a sua compreensão não totalmente definidos pelos(as) alunos(as) pesquisados(as), apesar das professoras salientarem a importância de trabalhar visando a corporeidade.

Biografia do Autor

Heide Pereira Costa, Universidade Estadual de Montes Claros

Licenciada em Educação Física (Universidade Estadual de Montes Claros)

Carla Chagas Ramalho, Universidade Estadual de Montes Claros

Graduada em Educação Física (UERJ)

Especialista em Gênero e Sexualidade (UERJ)

Mestre em Educação (UFRJ)

Professora do Departamento de Educação Física e Desporto da Universidade Estadual de Montes Claros

Referências

ARAÚJO, I. L. Da “pedagogização” à educação: acerca de algumas contribuições de Foucault e Habermas para a filosofia da educação. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 3, n. 7, p. 75-88, set./dez. 2002. Disponível em: <https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/4885> Acesso em: 23 jun 2020.

ASSMANN, H. Paradigmas educacionais e corporeidade. 2. ed. Piracicaba, SP: UNIMEP, 1994.

BARDIN, L. Análise de conteúdos. São Paulo: Augusto Pinheiro, 2016.

BORGES, C. M.F. Professor de Educação Física e a Construção do Saber. Campinas: Papirus, 1997.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 25 jun. 2020

BRUHNS, H. T e GUTIERREZ, G. L. (orgs.) O corpo e o lúdico: ciclo de debates lazer e motricidade. Campinas: Autores Associados, 2000.

CHAUI, M. In: Merleau-Ponty, textos escolhidos. Organização, tradução e comentários, Marilena Chauí. São Paulo: abril cultural, 1980.

DARIDO, S. C. Os conteúdos da Educação Física na escola. Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

FREIRE, J. B. Educação de corpo inteiro: Teoria e Prática da Educação Física. São Paulo: Scipione, 1997.

______. Métodos de confinamento e engorda (como fazer render mais porcos, galinhas, crianças...) In.: MOREIRA, Wagner Wey (org). Educação física & esportes: perspectivas para o século XXI. 14 ed. Campinas: Papirus, 2013

FREITAS, G. G. de. O esquema corporal, a imagem corporal, a consciência corporal e a corporeidade. Tese (mestrado) - Área de Concentração: Educação Motora, Universidade Estadual de Campinas. Campinas-SP, p.49. 1995.

FOUCAULT, M.Os corpos dóceis. In: Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, Vozes, 1987.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GHILARDI, R. Formação profissional em educação física: a relação teoria e prática. Motriz. v. 4, n. 1, Junho, 1998. Disponível em: <https://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/04n1/4n1_ART01.pdf> Acesso em: 22 jun 2020.

GONÇALVES, M. A. S. Sentir, pensar e agir: corporeidade e educação. 9. ed. Campinas, SP: Papirus, 1994.

INFORSATO, C. F.; FIORANTE, F. B. Corporeidade: por uma abordagem humanizadora do corpo em busca da existencialidade. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. São Paulo. v. 9. n. 2. 2010. Disponível em: <http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/remef/article/view/3486> Acesso em: 23 jun 2020.

JOÃO, R.B.; BRITO, M. Pensando a corporeidade na prática pedagógica em educação física à luz do pensamento complexo. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.18, n.3, p.263-72, jul./set., 2004.

LÓPEZ-IBOR, J. J.; ALIÑO, J. J. L. F. El cuerpo y lacorporeidad. Madrid: Gredos, 1974.

LOWEN, A.Medo da vida. Tradução Maria Sílvia Mourão Netto. São Paulo: Summus, 1989.

MARTINS, E. C. A corporeidade na aprendizagem escolar (Entrelaços fenomenológicos do pensar e agir). Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 56, p. 163-180, abr./jun. 2015. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/er/n56/0101-4358-er-56-00163.pdf> Acesso em. 22 Jun 2020

MENDES, M. I. B. DE S.; NÓBREGA, T. P. DA. CULTURA DE MOVIMENTO: REFLEXÕES A PARTIR DA RELAÇÃO ENTRE CORPO, NATUREZA E CULTURA. Pensar a Prática, v. 12, n. 2, 26 ago. 2009. Disponível em: < https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/6135/5361> Acesso em 11 ago 2020.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Traduzido por Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006a.

______. A estrutura do comportamento. São Paulo: Martins Fontes, 2006b.

MORAIS, J. F. R. de. Consiencia corporal e dimensionamento do futuro. In: MOREIRA, W. W. (Org.). Educação fisica & esportes: perspectivas para o seculo XXI. Campinas: Papirus, 2013.

MOREIRA, W. W. Corporeidade e a busca de novas palavras para o saber: uma das tarefas da Educação Motora; Anais do I Congresso Latino Americano de Educação Motora. II Congresso Brasileiro de Educação Motora - Foz do Iguaçu, 1998.

MORAES, M. C.O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 1997.

MOREIRA, W. W.; Virtuoso Júnior, J. S.; Barbosa Neto, O. y Simões, R. M. R. (Orgs.). Educação física, esporte, saúde e educação. Uberaba/MG: Universidade Federal do Triângulo Mineiro, 2010.

MOREIRA, W, W. (Org.). Fenômeno esportivo no início de um novo milênio. Piracicaba: Unimep, 2000.

REICH, W.A função do orgasmo. Problemas econômico-sexuais da energia biológica. Tradução de Maria da Glória Novak. 19 ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

REICH, E.Energia vital pela Bioenergética suave. Tradução de Claudia Abeling. São Paulo: Summus, 1998.

SANTIN, S. Educação Física: uma abordagem filosófica da corporeidade. Ijuí, RS: Livraria UNIJUÍ Editora, 1987. 125p.

______. Perspectivas na visão da corporeidade. In MOREIRA, W. W. (Org). Educação física & esportes: Perspectivas para o século XXI. Campinas: Papirus, 2013.

SOARES, C. L. Imagens da educação no corpo: estudo a partir da ginástica francesa no século XIX. 2ª ed. Campinas: Autores Associados, 2002.

Downloads

Publicado

2020-09-08

Como Citar

Costa, H. P., & Ramalho, C. C. (2020). Corporeidade nas aulas de Educação Física de uma escola no Vale do Jequitinhonha em Minas Gerais. Revista Educar Mais, 4(2), 428-441. https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.428-441.1833

Edição

Seção

Artigos