A formação do tradutor e intérprete educacional em Minas Gerais: análises e reflexões de intérpretes formadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.6.2022.2635

Palavras-chave:

Intérprete educacional, Libras, Tradutor e intérprete, Intérprete formador

Resumo

A função do tradutor intérprete de Libras foi reconhecida como profissão no Brasil pela Lei Federal 12.319 de 2010. Esta lei que, por consequência, reconhece a função do intérprete educacional, não dá providências específicas quanto a instituição de cursos de formação em nível superior ou técnico destes profissionais. Esta pesquisa tem por objetivo, analisar e refletir os impactos deste problema na sua identidade profissional e consequentemente de sua atuação na área educacional a partir da ótica, reflexão e análise dos Intérpretes de Língua de Sinais Formadores (ILSF). A análise de dados desta pesquisa foi realizada a partir do estudo das legislações específicas quanto a formação profissional, das produções científicas sobre as atribuições e identidade do Tradutor e Intérprete de Língua de Sinais Educacional (TILSE) e dos Intérpretes de Língua de Sinais Formadores (ILSF), e dos depoimentos dos formadores de TILSEs do estado de Minas Gerais. Os resultados dessa pesquisa apresentam, portanto, um problema relacionado a formação e as atribuições funcionais desses profissionais aos seus pares, à sociedade civil, ao poder público e às instituições de ensino superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Lemes de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia

Doutorando em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Uberlândia (2021). Mestre em educação pela Universidade Federal de Lavras (2019) , graduado em Pedagogia pela Universidade Metropolitana de Santos (2013), pós graduação em Psicopedagogia e Arteterapia pela Faculdade Paulista de Artes-FPA (2015) e pós graduação em Docência do Ensino Superior de Libras pela Universidade Cândido Mendes (2018). Graduando do curso de Letras-Libras como segunda licenciatura Uniasselvi (2020). Possui certificação do Prólibras emitido pela Universidade Federal de Santa Catarina para o uso e ensino de Libras (2008) e para tradução e interpretação de Libras (2010). Atualmente é Professor de Libras do Centro Universitário do Sul de Minas (UNIS) e Professor Mediador no curso de Pedagogia Bilíngue INES/ UFLA. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Inclusiva e na educação museológica, tendo trabalhado como educador em museus como o Museu Casa Guilherme de Almeida, Museu Afro Brasil, Museu da Resistência e Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Vieira. A construção do conhecimento teórico-prático do professor de línguas em formação inicial. Contexturas, v. 23, p. 161-191, 2014.

ALBRES, N. A.; RODRIGUES, C. H. As funções do intérprete educacional: entre práticas sociais e políticas educacionais. Bakhtiniana. v. 13, p. 16-42, 2018.

ALMEIDA, Elomena Barboza De; LODI, Ana Claudia Balieiro. Formação de intérpretes de Libras - Língua Portuguesa: Reflexões a partir de uma prática formativa. Libras em Estudo: Formação de Profissionais, São Paulo, p. 109-129, 2014.

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Etnografia da prática escolar. 15ª ed. Papirus. Campinas. 2008. 128 p.

ASSIS SILVA, César Augusto. A constituição da língua brasileira de sinais: considerações sobre a missão protestante com surdos. Revista Sures, v. 3, p. 1-14, 2014.

ASSIS SILVA, César Augusto. O papel de agentes religiosos na surdez: considerações sobre a constituição da cultura surda. Espaço (Rio de Janeiro. 1990), v. 39, p. 5-16, 2013.

ASSIS SILVA, César Augusto. Cultura Surda: agentes religiosos e a construção de uma identidade. 1. ed. São Paulo: Terceiro Nome, 2012. v. 1. 248p .

BARCELOS, Ana Maria Ferreira. Unveiling the relationship between language learning beliefs, emotions, and identities. Studies in Second Language Learning and Teaching, Kalisz, v. 5, n. 2, p. 301-325, 2015.

BARCELOS, Ana Maria F. Identities as emotioning and believing. Reflections on Language Teacher Identity Research, p. 145, 2016.

BARKHUIZEN, Gary. Reflections on Language Teacher Identity Research.New York: Routledge. 2017.

BENSON, Phill. Teacher autonomy and teacher agency.p.18-23 In BARKHUIZEN, Gary. Reflections on Language Teacher Identity Research.New York: Routledge. 2017.

BRASIL. Casa Civil. Lei n.º 13.219, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão do tradutor e intérprete da Língua Brasileira de Sinais- LIBRAS.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei n.º 9.382 de 2017. Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=655BE338641A4DFACCB14E3C87A42B29.proposicoesWebExterno2?codteor=1639785&filename=Avulso+-PL+9382/2017. Acesso em 14/08/2019 às 11h10min.

FERREIRA, Daiane. Estudo comparativo de currículos de cursos de formação de tradutores e intérpretes de libras-português no contexto brasileiro. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Florianópolis.2015. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/169308>. Acesso em: 29 de maio de 2019.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 405 p.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisas. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

GUMIEIRO, A.H e PEREIRA, S.L.P. Intérprete da Língua Brasileira de Sinais: algumas considerações acerca do reconhecimento, formação e atuação. In. NUNES, E. O e CONSTÂNCIO, R.F.J. Libras: Reflexões e práticas educacionais. São Leopoldo. Oikos,179p.

HUANG, Jing. Autonomy, agencyandidentity in oreing language learning and teaching. Linguistic insights: studies in languageandcomunication. University of bergamo, v. 112, p. 54-77, jan. 2013.

LACERDA, C.B.F. de; BERNARDINO,B.M. O papel do intérprete de língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. In: LODI, A.C.B e LACERDA, C.B.F.: Uma escola duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre: Editora Mediação, 2009.p.65-79.

LACERDA, C.B.F. de. Intérprete de Libras: em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. Porto Alegre: Mediação/FAPESP, 2009.

MARTINS, Vanessa Regina De Oliveira; NASCIMENTO, Vinícius. Da formação comunitária à formação universitária (e vice-versa): novo perfil dos tradutores e intérpretes de línguas de sinais no contexto brasileiro. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 35, n. 2, p. 78-112, jul./dez. 2015.

MARTINS, V. R. O.; NASCIMENTO, V. Da formação comunitária à formação universitária (e vice e versa): novo perfil dos tradutores e intérpretes de língua de sinais no contexto brasileiro. Cadernos de Tradução, v. 35, p. 78, 2015.

MARTINS, Vanessa Regina de Oliveira. Tradutor e intérprete de língua de sinais educacional: desafios da formação. Belas Infiéis, v. 5, n. 1, p. 147-163, 2016.

MOURA, Izaulita César e CAVALCANTE, Fátima Gonçalves. O tradutor/intérprete de língua de sinais: um mediador de fronteiras culturais. Espaço. Rio de Janeiro, n.39. jan./jun. 2013

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Educação. CAS: histórico e diretrizes de funcionamento. 2017. 62 p. Disponível em: http://www2.educacao.mg.gov.br/images/documentos/CARTILHA_DIRETRIZES_CAS_OUTUBRO_1.pdf. Acesso em 14/08/2019 às 9h32min.

MINAS GERAIS. Resolução SEE 2903 de 2016. Disponível em: http://www2.educacao.mg.gov.br/images/documentos/2903-16-r.pdf. Acesso em 14/08/2019 às 10h58min.

MINAS GERAIS. Resolução SEE 3995 de 2018. http://www.designaeducacao.mg.gov.br/#. Acesso em 14/08/2019 às 10h58min.

NASCIMENTO, V.; BEZERRA, T. C. ; ALBRES, Neiva de Aquino ; SANTIAGO, Vania de Aquino Albres . Formação de Intérpretes Educacionais de Libras: entre concepções e propostas de curso de extensão universitária. In: V Congresso Brasileiro de Educação Especial, 2012, São Carlos. V CBEE - VII Encontro Nacional dos Pesquisadores da Educação Especial, 2012. p. 11745-11760.

NÓVOA, António. 2000. Vida de Professores. Porto: Porto Editora

QUADROS, R. M. de, & STUMPF, M. R. (2009). O primeiro curso de graduação em letras língua brasileira de sinais: educação a distância. ETD - Educação Temática Digital, 10(2), 169-185.

REICHMANN, Carla Lynn; ROMERO, Tania Regina de Souza. Language teachers’ narratives and professional self-making. Delta. 2019, 35.3. p.1-25. Out/nov.2018.

SACKS, Oliver. Vendo vozes: Uma jornada pelo mundo dos surdos. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1989.

SACKS, Oliver. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos.Tradução: Laura Teixeira Motta.-São Paulo: Companhia das letras,2010. p.38.

SANTOS, Lara Ferreira Dos. O fazer do intérprete educacional: Práticas, estratégias e criações. 1. São Carlos: UFSCAR, 2014. 200 p.

SANTOS, Lara Ferreira dos; LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de . Atuação do intérprete educacional: parceria com professores e autoria. Cadernos de Tradução (UFSC), v. 35, p. 505-533, 2015.

SOUZA, Elizeu Clementino. Profissionalização, Fabricação de Identidade e Trabalho Docente: Alguns Apontamentos Teóricos. In Maria Cristina Faria Dalacorte Ferreira, Carla Lynn Reichmann; Tania Regina de Souza Romero (orgs.) Construções Identitárias de Professores de Línguas. Campinas: Pontes. 2016.

Downloads

Publicado

2022-01-03

Como Citar

Lemes de Oliveira, T. (2022). A formação do tradutor e intérprete educacional em Minas Gerais: análises e reflexões de intérpretes formadores . Revista Educar Mais, 6, 13-27. https://doi.org/10.15536/reducarmais.6.2022.2635

Edição

Seção

Artigos