Políticas públicas de promoção à saúde de crianças e adolescentes nas escolas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2585

Palavras-chave:

Políticas públicas intersetoriais, Promoção da saúde, Saúde escolar

Resumo

O artigo apresenta como a mudança de paradigma nas ações de saúde, quando passa de um modelo focado na cura para uma abordagem centrada na promoção de saúde, influenciou a forma de implementação das políticas públicas de promoção da saúde às crianças e adolescentes. Nesse sentido, tem destaque as recomendações de organismos internacionais e nacionais quanto a implementação intersetorial e a inclusão de novos atores e instituições não-governamentais nas ações de políticas públicas de saúde. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício Osório Gonçalves, Universidade Federal do ABC.

Mestre em Políticas Públicas pela Universidade Federal do ABC. Atualmente é consultor pela UNESCO.

Renan Antônio da Silva, Universidade Estadual do Ceará

Doutor em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Docente Permanente no Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Bolsista da FUNCAP.

Georgia Rebouças, Universidade Estadual do Ceará

Mestranda em Políticas Públicas na Universidade Estadual do Ceará – UECE.

Referências

ANSELL,Chris; GASH, Allison. Collaborative Governance in Theory and Practice. Journal of Public Administration Research and Theory. Oxford University Press. Oxford, 2007.p. 543-571.

BELLINI, Maria Isabel Barros; REHERMANN, Vanessa Soares; MORÉS, Fernanda Brenner. Aprender saúde na escola: uma experiência de intersetorialidade entre as políticas de saúde e educação. In: BELLINI, Maria Isabel Barros; FALLER, Camília Susana. Intersetorialidade e políticas sociais. Editora PUC-RS. Porto Alegre, 2010. 228p.

MONTEIRO, Paulo Henrique Nico; BIZZO, Nelio. A saúde na escola: análise dos documentos de referência nos quarenta anos de obrigatoriedade dos programas de saúde, 1971-2011. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro , v. 22, n. 2, p. 411-428, jun. 2015 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702015000200007&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 22 nov. 2019. Epub 19-Dez-2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702014005000028.

BRASIL. Passo a Passo PSE: Construindo os caminhos da intersetorialidade. Ministério da Saúde, Ministério da Educação. Brasília. 2011. 48p.

BRANDÃO, Roberto Duarte Albino. A implementação do Programa Saúde na Escola no Território de Manguinhos – RJ: estratégias de privatização na saúde pública. 2014. 144p. Dissertação. Mestrado Profissional em Educação Profissional em Saúde. Fundação Oswaldo Cruz.

BRESSAN, Fernanda. O Programa Saúde na Escola: interfaces entre saúde e educação no município de Blumenau-SC. 2014. 78p. Dissertação. Mestrado em Educação. Universidade Regional de Blumenau, Faculdade de Educação.

FARIAS, Isabelle Carolline Verossimo de. Análise da intersetorialidade no Programa Saúde na Escola no município de Olinda-PE. 2014. 99p. Dissertação. Mestrado em Saúde Coletiva. Universidade Federal de Pernambuco.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSITCA. Pesquisa Brasileira de Saúde Escolar - 2015. Rio de Janeiro : IBGE, 2016. 132 p.

MOURA, Samara Marques de. Programa Saúde na Escola: um instrumento da intersetorialidade na promoção da saúde. 2014. 108p. Dissertação. Mestrado em Odontologia. Universidade Federal de Goiás.

OTTAWA. Charter for Health Promotion. World Health Organization. Ottawa, 1986.

RABELLO, Lucíola Santos. Promoção da saúde: a construção social de um conceito em perspectiva comparada do SUS. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2010. 228 p.

SARRETA, FO. Educação permanente em saúde para os trabalhadores do SUS [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. 248 p. ISBN 978-85-7983-009-9. Available from SciELO

SCHERER, M. D. A. et al. Ruptures and resolutions in the health care model: reflections on the Family Health Strategy based on Kuhn’s categories, Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.9, n.16, p.53-66, set.2004/fev.2005.

SILVA, Carlos dos Santos. Escola Promotora de Saúde: uma Visão Crítica da Saúde Escolar. In: Sociedade Brasileira de Pediatria. Escola promotora de saúde. Brasília: Sociedade Brasileira de Pediatria; 2003

VIEIRA, Maria Edna Moura. Programa Saúde na Escola: a intersetorialidade em movimento. 2013. 94f. Dissertação .Mestrado em Psicologia. Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Growing up unequal: gender and socioeconomic differences in young people’s health and well-being: health behaviour in school-aged children (HSBC) study – international report from the 2013/2014 survey. Dinamarca. 2016. 275p.

_______________________________. Intersectoral Governance for Health in All Policies: Structures, actions and experiences. WHO Regional Office for Europe. Copenhagen, 2012. 228p.

Downloads

Publicado

2021-08-19

Como Citar

Gonçalves, M. O. ., Silva, R. A. da, & Rebouças, G. . (2021). Políticas públicas de promoção à saúde de crianças e adolescentes nas escolas. Revista Educar Mais, 5(5), 1018-1029. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2585

Edição

Seção

Artigos