UM ESTUDO SOBRE OS ERROS ORTOGRÁFICOS DE ALUNOS DO IFSUL (CÂMPUS CAVG), À LUZ DO MODELO DE REDESCRIÇÃO REPRESENTACIONAL (MRR) DE KARMILOFFSMITH E SUA REPERCUÇÃO NO ENSINO DE ORTOGRAFIA NO ENSINO MÉDIO

Autores

  • Cristiane Dos Santos Silveira

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.1.2016.%25p.524

Resumo

Este estudo apresenta como temática de pesquisa os erros ortográficos presentes em textos narrativos de alunos do ensino médio oriundos de quatro cursos do IFSUL – Campus Pelotas Visconde da Graça (CAVG). O objetivo geral desta pesquisa foi verificar quais eram os tipos de erros ortográficos mais abundantes em tais textos nessa etapa da educação básica e ainda, o motivo deles ocorrerem. Apoiados no Modelo de Redescrição Representacional (MRR) de Karmiloff-Smith (1986, 1994), Morais (1995), Miranda et alli (2005) e Guimarães (2005) buscou-se verificar a relação entre quantidade de erros ortográficos presentes nos textos analisados e os níveis de redescrição do conhecimento ortográfico dos sujeitos estudados. A pesquisa caracterizou-se como quanti-qualitativa, sendo que analisou-se dois grupos durante o estudo - um transversal, composto por 273 alunos para se verificar, primeiramente, quais eram os principais erros ortográficos presentes nos alunos do ensino médio do meio estudado e outro longitudinal, composto por 15 alunos acompanhados durante todo o ensino médio, com o intuito de verificar se aqueles erros ortográficos encontrados junto ao grupo transversal se mantinham e, para investigar, através de entrevistas, qual o nível de redescrição representacional em que os sujeitos do segundo grupo se encontravam, relativamente ao conhecimento ortográfico do português. A análise dos dados do grupo tranversal mostrou que os tipos de erros ortográficos encontrados nas coletas junto a ambos os grupos – Transversal e Longitudinal eram análogos: em primeiro lugar, erros advindos das chamadas irregularidades do sistema ortográfico (p.ex: sinema>cinema), em especial os casos de representação do fonema/s/ e do fonema/z/, seguidos dos erros ortográficos relacionados à motivação fonética da língua (p.ex: andá>andar) e dos erros ortográficos relacionados à segmentação não-convencional da escrita (hipo e hipersegmentação – p.ex: derrepente>de repente e  a  visou>avisou), sendo a hipossegmentação mais numerosa nos dados do que a hipersegmentação. Tais erros ortográficos correspondem a cerca de 75% dos dados totais desta pesquisa.O estudo verificou, ainda, junto ao grupo longitudinal, que os alunos com menor número de erros ortográficos apresentaram durante a entrevista maior número de momentos característicos de níveis E3, o maior do MRR, ou seja, eram capazes de verbalizar as regras ortográficas ou transgressões realizadas conscientemente, os com mediano número de erros ortográficos apresentou menos momentos de E3  e mais de E2 e os com maior número de erros apresentavam poucos momentos da entrevista caracterizados como de E2  e poucos momentos de E3.Tais constatações corroboram a ideia de que o ensino de ortografia precisa ser revisto e retomado, mesmo nas séries que compõem o ensino médio.

Downloads

Publicado

2017-05-24

Como Citar

Silveira, C. D. S. (2017). UM ESTUDO SOBRE OS ERROS ORTOGRÁFICOS DE ALUNOS DO IFSUL (CÂMPUS CAVG), À LUZ DO MODELO DE REDESCRIÇÃO REPRESENTACIONAL (MRR) DE KARMILOFFSMITH E SUA REPERCUÇÃO NO ENSINO DE ORTOGRAFIA NO ENSINO MÉDIO. Revista Educar Mais, 1(1). https://doi.org/10.15536/reducarmais.1.2016.%p.524

Edição

Seção

Artigos