Descarte de Baterias de Celulares

Autores

  • Ana Corrêa

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.0.2012.%25p.645

Resumo

O trabalho foi realizado com a 8ª série do NEJA, turno noite, composta
por doze alunos.
Inicialmente foi apresentado um trabalho sobre as riquezas ambientais e
os cuidados que devemos ter para preservar esses ambientes. Logo após foi feito um comparativo de como era a nossa cidade e como ela se encontra hoje, aspectos positivos foram ressaltados, entre eles o uso da tecnologia aproximando as diversas comunidades do interior do município com as demais cidades, Estados e, porque não dizer, com o mundo, através do uso do celular e da internet. Formam feitos alguns questionamentos sobre a utilização dessas tecnologias e seus descartes, como por exemplo, quantos aparelhos de celulares eles já haviam tido e se sabiam quais eram os componentes químicos presentes nas baterias dos mesmos? Para surpresa da turma, havia um grande número de troca de aparelhos, em média quatro aparelhos por aluno. Ficou então acertado o início da nossa pesquisa, em datas intercaladas: desde maio de 2012 até julho desse mesmo ano. A pesquisa foi realizada no laboratório de
informática da escola com os seguintes tópicos: componentes químicos das baterias de celulares, sua utilização, prejuízos à saúde e meio ambiente, descarte apropriado, legislação vigente para seu descarte. O tema foi de tanto interesse que ficou acertada uma campanha de arrecadação da bateria de celulares em toda escola, onde os alunos fizeram uma explanação sobre a pesquisa realizada e a necessidade de informar a comunidade dos riscos que corriam ao descartar indevidamente essas baterias, com também do acondicionamento em suas residências. A campanha foi feita no mês de agosto, quando foram arrecadadas mais de 70 baterias, o que serviu de base
estatística para o trabalho realizado em Matemática do Ensino Médio.

Downloads

Publicado

2012-08-04

Como Citar

Corrêa, A. (2012). Descarte de Baterias de Celulares. Revista Educar Mais, (1). https://doi.org/10.15536/reducarmais.0.2012.%p.645

Edição

Seção

Artigos