Entre as experiências de um estágio e a formação docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.221-232.1761

Palavras-chave:

Estágio, Formação docente, Língua Portuguesa.

Resumo

Neste relato, reflito sobre as experiências vivenciadas durante a realização do primeiro estágio supervisionado do curso de Licenciatura em Letras: Língua Portuguesa. Esse estágio foi realizado um uma turma do 9º ano de uma escola estadual de Campina Grande – PB. Fundamentando-me em reflexões do campo aplicado dos estudos da linguagem e da educação, muito mais que descrever as atividades realizadas, reflito sobre o ser professor nas particularidades situadas de uma escola pública. Dessa maneira, exponho as delícias e os dessabores que compuseram essa experiência para, quem sabe, subsidiar pautas sobre reformulações de currículos a fim de que a formação inicial seja mais condizente com os desafios atuais do ser professor.

Biografia do Autor

Roberto Barbosa Costa Filho, Universidade Federal de Campina Grande

Graduando em Letras - Língua Portuguesa pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Bolsista de iniciação científica no projeto "Estratégias de escrita do artigo científico" (PIBIC/UFCG).

Referências

ABDALA JUNIOR, B. Introdução à análise da narrativa. São Paulo: Scipione, 1995.

CANDIDO, A. A vida ao rés-do-chão. In: A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992.

CORTELLA, M. S. Educação, escola e docência: novos tempos, novas atitudes. São Paulo: Cortez, 2014.

COSTA FILHO, R. B. Lembranças de um estágio, 2018 [manuscrito].

COSTA FILHO, R. B.; BAZARIM, M. As relações entre o enunciado, a produção e a correção de textos. Entrepalavras, Fortaleza, v. 9, n. 3, p. 324-341, set-dez/2019.

COSTA FILHO, R. B.; BAZARIM, M. Planejamento e aplicação de atividades de ensino de Língua Portuguesa no estágio obrigatório dos anos finais do Ensino Fundamental. In: Anais do VI Colóquio Nacional 15 de Outubro. Campina Grande: Revista Letras Raras, 2018.

COSTA-HÜBES, T. C. Uma tentativa de análise linguística de um texto do gênero “relato histórico”. Linguagem em (Dis)curso, Palhoça, SC, v. 10, n. 1, p. 181-205, jan./abr. 2010.

COSTA-HÜBES, T. da C.; SIMIONI, C. A. Sequência didática: uma proposta metodológica curricular de trabalho com os gêneros discursivos/textuais. In: BARROS, E. M. de; RIOS-REGISTRO, E. M. (org.). Experiências com sequências didáticas de gêneros textuais. Campinas, SP: Pontes Editora, 2014.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: DOLZ, J; SCHNEUWLY, B e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2004.

GANCHO, C. V. Como analisar narrativas. São Paulo: Ática, 2002.

JUNIOR, A. F. Operadores de leitura da narrativa. In: BONNICI, T.; ZOLIN, L. O. (org.). Teoria literária: abordagens históricas e tendências. 3.ed. Maringá: Eduem, 2009.

KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.

LIMA, M. S. L. Reflexões sobre o estágio-prática de ensino na formação de professores. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 8, n. 23, p. 195-205, jan./abr. 2008.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011a.

LUCKESI, C. C. Planejamento e avaliação na escola: articulação e necessária determinação ideológica. In: Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22.ed. São Paulo: Cortez, 2011b.

MAIA, C. M. Escola e professor: função social. In: MAIA, C. M.; SCHEIBEL, M. F.; URBAM, A. C. (org.). Didática: Organização do trabalho pedagógico. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2009.

MENEGOLLA, M.; SANT´ANNA, I. M. Por que planejar? Como planejar? Currículo - área - aula. 22.ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2014.

PARAÍBA. Medida Provisória nº 267 de 07 de fevereiro de 2018. Cria o Programa de Educação Integral, composto por Escolas Cidadãs Integrais – ECI, Escolas Cidadãs Integrais Técnicas – ECIT e Escolas Cidadãs Integrais Socioeducativas - ECIS e institui o Regime de Dedicação Docente Integral – RDDI e dá outras providências. Diário Oficial do Estado da Paraíba, João Pessoa, 09 fev. 2018.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis, v. 3, n. 3 e 4, p. 5-24, 2005/2006.

ROJO, R. Alfabetismo(s): Desenvolvimento de competências de leitura e escrita. In: Letramentos múltiplos: escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editora, 2009.

SÁ, J. de. A crônica. São Paulo: Editora Ática, 1987.

Downloads

Publicado

2020-04-30

Como Citar

Costa Filho, R. B. (2020). Entre as experiências de um estágio e a formação docente. Revista Educar Mais, 4(1), 221-232. https://doi.org/10.15536/reducarmais.4.2020.221-232.1761

Edição

Seção

Artigos