Os coletivos e os estilos de pensamento em pesquisas brasileiras sobre investigação-ação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2139

Palavras-chave:

Formação inicial de professores, Ciências Biológicas, Ensino de Ciências, Pesquisa-ação, Epistemologia

Resumo

A pesquisa analisou dissertações e teses sobre a formação inicial de professores de Ciências Biológicas, no campo da investigação-ação. Apoiando-se nas categorias epistemológicas de Fleck (2010), para compreender as contribuições dos autores referências das dissertações e teses sobre a investigação-ação, disponíveis na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD). Foi possível identificar os estilos e coletivos de pensamento que vem caracterizando a pesquisa do tema no recorte apresentado. Com base na leitura das dissertações (5) e das teses (3), através da Análise Textual Discursiva (ATD) foram identificadas um total de 58 palavras-chave, que permitiram a elaboração de cinco agrupamentos temáticos, a partir da leitura e identificação de 13 autores referências, que apareceram mais de uma vez nas pesquisas sobre a investigação-ação. Após a análise, percebe-se que as dissertações e teses deste recorte demonstram que há preocupação em se estabelecer conceitos e diferentes olhares que apontem novas perspectivas, vislumbrando a formação inicial de professores capazes de ressignificar sua constituição docente, por meio da investigação-ação.

Biografia do Autor

Larissa Lunardi, Universidade Federal da Fronteira Sul

Mestra em Ensino de Ciências pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Brasil, Rio Grande do Sul.

Rúbia Emmel, Instituto Federal Farroupilha, Campus Santa Rosa.

Doutora em Educação nas Ciências. Professora do Instituto Federal Farroupilha (IFFAR). Brasil, Rio Grande do Sul. https://orcid.org/0000-0002-4701-8959

Referências

ALARCÃO, I. Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto Alegre: Artmed, 2001.

ALARCÃO, I. (Org.) Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. Porto: Porto Editora, 1996.

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ALARCÃO, I. Ser professor reflexivo. In: ALARCÃO, I. Formação Reflexiva. Estratégias de Supervisão. Porto Editora: Porto, 2000.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Tradução por LucieDidio. Brasília: Plano, 2002. Série Pesquisa em Educação, v.3.

CANABARRO, P. H. O. A contribuição do PIBID na formação de professores de Biologia : uma reflexão sobre a prática (Dissertação). Brasília: UnB, 2015.

CARR, W; KEMMIS, S. Teoria Crítica de la enseñanza – la investigación- acción em la formación del profesorado. Barcelona: Martinez Rocca. 1988.

CONDÉ, M. L. L. (org.). Ludwik Fleck: estilos de pensamento na ciência. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

CONTRERAS, J. D. Autonomia dos professores. São Paulo: Cortez, 2002.

CONTRERAS, J. D. La investigación en la acción. Cuadernos de Pedagogia, nº 224, Madrid: Morata, abril 1994, p. 7-31.

COUTINHO, C. Investigação-Ação: metodologia preferencial nas práticas educativas. Universidade do Minho, 2008.

COUTINHO, C. P. et al. Investigacao-accao: metodologia preferencial nas praticas educativas. Psicologia, Educação e Cultura, Portugal, v. XIII Nº 2, p. 355-379, 2009.

DATTEIN, R. W. A mediação de escritas reflexivas compartilhadas na formação em ciências no contexto de um processo de iniciação à docência (Dissertação). Ijuí: Unijuí, 2016.

ELLIOTT, J. La investigación-acción en educación. Madrid: Ediciones Morata, 1990.

ELLIOTT, J. Recolocando a Pesquisa-ação em seu lugar original e próprio. In: GERALDI, C.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. (orgs.). Cartografias do trabalho docente: professor(a) pesquisador(a). Campinas: Mercado de letras, 1998. p.137-152.

EMMEL, R. O currículo e o livro didático da Educação Básica: contribuições para a formação do licenciando em Ciências Biológicas (Tese). Ijuí: Unijuí, 2015.

EMMEL, R. “Estado da arte” e coletivos de pensamento da pesquisa sobre o livro didático no Brasil (Dissertação). Ijuí: Unijuí, 2011.

FLECK, L. La gênesis y desarrollo de um hecho científico. Tradução de Luis Meana. Madrid: Alianza Editorial, 1986.

FLECK, L. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Tradução de Georg Otte e Mariana Camilo de Oliveira. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

GÜLLICH, R. I. C. Desconstruindo a imagem do livro didático no ensino de ciências. Revista SETREM. Três de Maio, v. 4, n. 3, p. 43 – 51, jan. 2004.

GÜLLICH, R. I. C. Investigação-formação-ação em ciências: um caminho para reconstruir a relação entre livro didático, o professor e o ensino. Curitiba: Prismas, 2013.

GÜLLICH, R. I. C. O livro didático, o professor e o ensino de ciências: um processo de investigação-formação-ação (Tese). Ijuí: Unijuí, 2012.

GÜLLICH, R. I. C.; EMMEL, R.; PANSERA-DE-ARAÚJO, M. C. Interfaces da Pesquisa sobre o Livro Didático de Ciências. In: Caderno de Resumos do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis: Abrapec, 2009.

GÜLLICH, R. I. C.; PANSERA-DE-ARAÚJO, M. C.; EMMEL, R. Contribuições dos Artigos Brasileiros Indexados no Scielo sobre a Pesquisa acerca do Livro Didático no Brasil: 1999-2008. In: Anais do VIII Encontro de Pesquisa em Educação da Região Sul, ANPED SUL. Londrina: UEL, 2010.

GÜLLICH, R. I. C.; PANSERA-DE-ARAÚJO, M. C.; EMMEL, R. Interfaces da pesquisa sobre o livro didático de ciências no ensino fundamental. In: Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, XV, 2010, Belo Horizonte. Anais… Belo Horizonte: UFMG, 2010.

KIEREPKA, J. S. N.; GÜLLICH, R. I. C. O papel da reflexão na constituição docente: investigação-ação como processo de intervenção. In: Anais do VI Encontro Regional Sul de Ensino de Biologia (EREBIO-SUL) e XVI Semana Acadêmica de Ciências Biológicas. URI – Santo Ângelo/RS, 2013.

KIEREPKA, J. S. N. Problematização e reconhecimento de teorias e práticas de professores em formação para o ensino de ciências com foco no educar pela pesquisa (Dissertação). Ijuí: Unijuí, 2017.

LEITE, F. A. Desenvolvimento do coletivo de pensamento da área de ensino de ciências da natureza e suas tecnologias em processos de formação de professores (Tese). Ijuí: Unijuí, 2016.

LIMA, L. F. Uma análise sobre a proposição de projetos de trabalho com o uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) em um curso de licenciatura a distância (Dissertação). Recife: Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2010.

LORENZETTI, L.; MUENCHEN, C.; SLONGO, I. I. P. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, v. 11, n. 1, p. 373-404, jan./abr. 2018.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Epu, 2001.

MASSONI, N. T.; MOREIRA, M. A. A Epistemologia de Fleck: Uma Contribuição ao Debate sobre a Natureza da Ciência. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v.8, n.1, p.237-264, maio 2015.

MION, R. A.; SAITO, C. H. Investigação-Ação: mudando o trabalho de formar professores. Ponta Grossa: Gráfica Planeta, 2001.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Bauru: Ciência e Educação, v.9, n. 2, p. 191-211, 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Bauru: Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

PERSON, V. A.; GÜLLICH, R. I. C. Investigação-ação: da extensão à análise de processos formativos de professores de ciências. In: BONOTTO, D. L.; SANTOS, E. G.; WENZEL, J. S. (orgs). Movimentos Formativos: caminhos e perspectivas na formação de professores. Cerro Largo/RS: Polimpressos Serviços Gráficos LTDA, 2015.

ROSA, M. I. P. SCHNETZLER, R. P. A investigação-ação na formação continuada de professores de Ciências. Ciência & Educação. v. 9, n. 1, p. 27-39, 2003.

SOBRAL, M. S. C. Relevância dos laboratórios de aulas práticas na formação inicial de professores de ciências e biologia (Dissertação). Porto Alegre: UFRGS, 2015.

SOUTO, I. N. Formação crítica mediada pelas tecnologias digitais de informação e comunicação no ensino de ciências: a análise de uma experiência nas licenciaturas em Física e Ciências (Dissertação). Florianópolis: UFSC, 2013.

THIOLLENT, M. A metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2004.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 4 ed. São Paulo: Cortez: autores associados, 1988.

THIOLLENT, M. Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa. v. 31, n. 3, p. 443-446, 2005.

Downloads

Publicado

2021-01-16

Como Citar

Lunardi, L., & Emmel, R. (2021). Os coletivos e os estilos de pensamento em pesquisas brasileiras sobre investigação-ação. Revista Educar Mais, 5(2), 317-331. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2139

Edição

Seção

Artigos