Ginástica laboral como intervenção e melhoria na qualidade de vida docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.1926

Palavras-chave:

Ginástica Laboral, Qualidade de Vida Docente

Resumo

O trabalho docente pode provocar desgaste físico e emocional resultando no aumento do nível de estresse, aparecimento de doenças como depressão e lesões por esforços repetitivos, ocasionando licenças no emprego. Nesse contexto, objetivou-se com o presente relato de experiência promover conscientização sobre a importância da prática de atividade física regular incentivando a qualidade de vida docente. Para tanto, utilizou-se a prática de Ginástica Laboral como intervenção com um grupo de 10 professores de uma escola privada do Ensino Fundamental, localizada em um município do interior paulista. Esse tipo de exercício é realizado no local de trabalho com a finalidade de contribuir na prevenção de doenças e favorecer o relacionamento interpessoal. Autores como Ferrão (2012), Zankoski (2013) e Silva, Baia, Romanholo, Soares (2015) embasaram teoricamente o estudo. Conclui-se que os efeitos da Ginástica Laboral contribuíram para promover a motivação pela prática de atividades físicas, além de proporcionar bem-estar. Sugerem-se pesquisas futuras que evidenciam a possibilidade de realizar exercícios físicos em casa, utilizando como recurso canais do YouTube.

Biografia do Autor

Marinalva Sampaio Guimarães, UNITAU

Possui graduação em Normal Superior pela Universidade do Vale do Paraíba (2005), Pedagogia pelo Centro Universitário de Araras "Dr. Edmundo Ulson" (2010), Letras pela Universidade Metropolitana de Santos (2015) e Pós graduação em Psicopedagogia pela Claretiano (2012). Cursando Mestrado Profissional em Educação na Universidade de Taubaté (2019-2021). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental.

Maria Luiza Mendonça Azevedo, UNITAU

Graduada em Enfermagem pela Universidade de Taubaté (2011). Especialização em Enfermagem em Terapia Intensiva pela Faculdade de Enfermagem do Hospital Albert Einstein (2013); Licenciatura em Enfermagem pelo Instituto Paulista São José de Ensino Superior (2014); Especialização em Saúde da Família pela Universidade de Brasília UNB (2016); Pós Graduação em Enfermagem do Trabalho pelo Centro Universitário Internacional- UNINTER (2016); Pedagogia pela Faculdade de Ciências Humanas de Cruzeiro- FACIC, (2017); Pós Graduação em Psicopedagogia Clinica e Institucional- FACON (2018). Cursando Mestrado Profissional em Educação na Universidade de Taubaté (2019-2021). Atualmente é docente na Escola Superior de Cruzeiro- ESC no curso de graduação em Enfermagem e Fisioterapia como titular nas disciplinas de Enfermagem em Saúde da Mulher/Noções de Enfermagem e Estágio Supervisionado; Docente do Curso Técnico em Enfermagem da Escola Técnica Estadual Prof Jose SantAna de Castro - Centro Paula Souza e Escola Técnica Estadual Prof Marcos Uchôas dos Santos Penchel e Coordenadora do Curso Técnico em Enfermagem e Docente na Faculdade de Ciências Humanas do Estado de São Paulo (FACIC) nas disciplinas de História da Enfermagem e Filosofia da Enfermagem. Atuou como enfermeira em Saúde Pública pela Associação Beneficente São José em Cachoeira Paulista (Coordenadora de Ambulatório Municipal de Especialidades, Coordenadora da Atenção Básica responsável pelas ESF´s) e Enfermeira Responsável pelo programa IST/HIV.

Thiago Rocha Amaro, UNITAU

Mestrando do curso de Pós-graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Educação Universidade de Taubaté - UNITAU SP. Possui graduação em Educação Física pela Universidade do Vale do Paraíba (2008). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação.

Virgínia Mara Próspero Cunha, UNITAU

Possui graduação em Licenciatura em Educação Física pela Universidade de Taubaté (1986), graduação em Licenciatura em Pedagogia, habilitação em Administração Escolar, pela Universidade de Taubaté (1989), graduação em Licenciatura em Pedagogia, habilitação em Magistério, pela Faculdade de Educação de Guaratinguetá (1996), MESTRADO em Educação: Psicologia da Educação, pela Pontificia Universidade Católica de São Paulo (2003) e DOUTORADO em Educação: Psicologia da Educação, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2009). É PROFESSORA ASSISTENTE III, efetiva, titular da disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR, da UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ - SP, tendo atuado como Coordenadora Pedagógica do curso de Educação Física, de maio de 2008 a fevereiro de 2010 e Coordenadora Geral de TCC. Diretora do Departamento de Educação Física da UNITAU,de maio de 2011 até março de 2016. Atualmente é Coordenadora Pedagógica do curso de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física, docente da disciplina Educação Física Escolar e PROFESSORA PERMANENTE do MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO (UNITAU). Tem experiência na área de Educação Física Escolar e Educação, com ênfase em Avaliação e Formação de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Física Escolar, Avaliação da Aprendizagem, Atividades Lúdicas na Educação Básica e Formação de Professores. Professora Coordenadora do Subprojeto Educação Física PIBID/UNITAU (CAPES) - 2011 a 2018. Coordenadora Institucional do Programa de Residência Pedagógica/CAPES/UNITAU. Membro do Comitê de Ética em Pesquisa da UNITAU. Representante do corpo docente da Área de Biociências, no Conselho de Administração (CONSAD), da Universidade de Taubaté. Atualmente, é assessora e coordenadora dos Programas e Projetos de Extensão, Pró-reitoria de Extensão, Universidade de Taubaté.

Maria Teresa de Moura Ribeiro, UNITAU

Graduada em Pedagogia pela Universidade de Taubaté (1991), mestre em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996) e doutora em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001). Atualmente é professor assistente doutor da Universidade de Taubaté. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino fundamental, escola pública, formação de professores, educação continuada, desenvolvimento da criança e metodologia do ensino da Matemática.

Marilza Terezinha Soares de Souza, UNITAU

Graduação em Psicologia pela Faculdade Salesiana de Filosofia Ciências e Letras de Lorena (1979), Mestrado em Saude Mental pela Universidade Estadual de Campinas (1998), Doutorado em Psicologia (Psicologia Clínica) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003) com Doutorado Sandwich pelo Chicago Center for Family Health-USA. Pós-Doutorado em Psicologia Clínica (USF-Campinas) com treinamento no Centro de Investigação em Processos de Mudança em Psicoterapia (UMINHO-Portugal). Professora aposentada do Departamento de Psicologia da Universidade de Taubaté. Possui experiência em pesquisa na área de Psicologia, com ênfase em: pesquisa quantitativa e qualitativa, família, resiliência psicológica, mudanças no processo psicoterápico e desenvolvimento humano. É especialista em Análise Transacional e em Terapia Familiar pelo Chicago Center for Family Health -USA. Atua como psicoterapeuta desde 1980. Atualmente trabalha com Psicoterapia de Casais e Famílias, e Professora do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Humano e no Curso de Especialização em Terapia e Orientação Familiar da Universidade de Taubaté.

Referências

ANDRADE, Polyanna Peres; VEIGA, Heila Magali da Silva. Avaliação dos trabalhadores acerca de um programa de qualidade de vida no trabalho: validação de escala e análise qualitativa. Psicologia: Ciência e Profissão. Brasília, v.32, n.2, p. 304-319, 2012.

BAZANI, Sueli Erthal; GOES, Ana Paula; RIBAS, Cíntia Cargnin Cavalheiro. Ginástica laboral para professores e funcionários. 2010. Eixo: Prática em gestão escolar. Disponível em : http://http://www.opet.com.br/faculdade/revista-praxis/pdf/n4/gestao-ginastica-laboral-para-professores-e-funcionarios.pdf. Acesso em: 19 nov.2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC. 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdfAcesso em: 19 nov.2019.

BRITO, Élyda Cristina de Oliveira; MARTINS, Caroline de Oliveira. Percepções dos participantes de programa de ginástica laboral sobre flexibilidade e fatores relacionados a um estilo de vida saudável. Revista Brasileira Promoção Saúde. Fortaleza, v.25, n.4, p. 445-454, out/dez., 2012.

DOMINIENSE, Franciele Nunes; MANN, Luana. Impactos de um programa de ginástica laboral em professores da APAE de Barreiras, BA. 2015. Revista Digital. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd214/programa-de-ginastica-laboral-em-professores.htm. Acesso em 19 nov. 2019

FERRÃO, Suzy Sayonara Ferreira. A Contribuição da ginástica laboral na manutenção da saúde dos professores da escola municipal Arnaldo Setti-GO. Planaltina: UnB, 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física) - Universidade de Brasília, 2012.

LIMA, Deise Guadalupe de. Ginástica Laboral: metodologia de implantação de programar com abordagem ergonômica: Jundiaí, SP: Editora Fortuna, 2004.

LIMA, Valquíria de. Ginástica Laboral: atividade física no ambiente de trabalho. 3. ed.rev. e ampliada. São Paulo: Phorte, 2007.

MORAN, José Manuel. Contribuição das tecnologias para a transformação da educação. Revista Com Censo # 14. v.5, n. 3, agosto, 2018. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wpcontent/uploads/2018/08/Entrevista_Tecnologias_Moran_Com_Censo.pdf. Acesso em 19 nov. 2019.

MÓ, José Rogério Rodrigues; VIEIRA, Fernando de Oliveira; SANTOS, Vânia Martins dos. A Ginástica Laboral como uma ferramenta de mudança de comportamento. VII Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia – 2010. Disponível em: http://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos10/299_GINASTICA%20LABORAL%20COMO%20UMA%20FERRAMENTA%20DE%20MUDANCA%20DE%20COMPORTAMENTO.pdf. Acesso em 25jan. 2021.

SILVA, Luigi de Oliveira; BAIA, Fernando Costa; ROMANHOLO, Rafael Ayres; SOARES, Weliton Nunes. Nível de sedentarismo em professores do ensino regular da rede pública do Município de Cacoal – RO. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.9. n.52. p166-174. mar/abr., 2015.

ZAMBAN, Danieli; COSTA, Gisele M. Tonin. A importância da ginástica laboral na prevenção de doenças ocupacionais. Revista de Educação do IDEAU, Rio Grande do Sul v.8. n.18. p 1-16. jul/dez., 2013

ZANKOSKI Sonia Maria. Ginástica laboral e a promoção da saúde docente In Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE: Paraná: Produções didático-pedagógicas, 201. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_ufpr_edfis_artigo_sonia_maria_zankoski.pdf. Acesso em 19 nov. 2019.

Downloads

Publicado

2021-02-03

Como Citar

Guimarães, M. S., Azevedo, M. L. M., Amaro, T. R., Cunha, V. M. P., Ribeiro, M. T. de M., & de Souza, M. T. S. (2021). Ginástica laboral como intervenção e melhoria na qualidade de vida docente. Revista Educar Mais, 5(2), 388-396. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.1926

Edição

Seção

Artigos