Vivências pandêmicas

ensino remoto, educação e subjetividade em tempos de coronavírus

Autores

  • Hiata Anderson Silva do Nascimento Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Dominique Jacob Fernandes de Assis Castro Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Débora Santos de Andrade Dutra Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Bruno Andrade Pinto Monteiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.15536/thema.V21.2022.886-902.2181

Resumo

O artigo propõe uma reflexão acerca da pandemia do novo coronavírus e o ensino remoto, a partir das percepções de um grupo de participantes de uma live realizada num curso de extensão online em 22 de junho de 2020, cujo tema foi “O discurso do ensino remoto em tempos pandêmicos”. Na oportunidade foi colocada em discussão a adoção de novas formas de operacionalização do processo de ensino defendidas por gestores públicos em aliança com setores do segmento educacional privado. A live girou em torno das condições estruturais e simbólicas que têm presidido uma série de medidas voltadas para redesenhar os quadros de funcionamento das universidades públicas em tempos pandêmicos, dando-se destaque para os desafios éticos e políticos colocados para os grupos sociais comprometidos com o fortalecimento da educação pública. As falas dos participantes foram analisadas com base na Análise Textual Discursiva e revelam as inseguranças, os medos e os receios provocados não apenas pela pandemia, mas de modo especial, pelos novos instrumentos de gestão do trabalho colocados em funcionamento a partir das condições pandêmicas, bem como o desejo de mobilizar ações de resistência aos processos em andamento.

Palavras-chave: Pandemia; ensino remoto; subjetividades; ensino público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hiata Anderson Silva do Nascimento, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Espírito Santo (1996), especialização em Gênero e Sexualidade pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Uerj (2011) e mestrado em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (1999). Atualmente cursa o doutorado em Educação em Ciências e Saúde, no Programa de Pós-graduação Educação em Ciências e Saúde - PPGECS - NUTES/UFRJ e é professor no Instituto Federal do Espírito Santo, campus de Barra de São Francisco/ES. Possui interesses nas seguintes áreas temáticas: Teoria Sociológica Clássica (Durkheim, Weber e Marx); Ética; Religiões e Política na contemporaneidade; Gênero e Sexualidade, Teoria Decolonial e Ensino de Ciências, bem como na interface entre as Ciências Sociais e Saúde.

Dominique Jacob Fernandes de Assis Castro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduada em Licenciatura Plena e Bacharelado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal Fluminense (UFF). É especialista em Ensino de Ciências e Biologia pelo CESPEB (Curso de Saberes e Práticas na Educação Básica), da UFRJ. Atualmente é professora de Biologia do Colégio Criar, e é mestranda do programa de pós-graduação do NUTES (Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde)/ UFRJ. Atua na formação de educadores populares e na alfabetização ecológica na ONG Água Doce Serviços Populares em Suruí, Magé.

Débora Santos de Andrade Dutra, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Matemática (2001) e Física (2009), ambas, pela Universidade Federal do Espirito Santo. Mestre em Educação Matemática pela Universidade Federal de Ouro Preto

Bruno Andrade Pinto Monteiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Bruno Andrade Pinto Monteiro – Doutor em Educação em Ciências e Saúde pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (NUTES/UFRJ) com estágio doutoral sanduíche na Universidade de Aveiro (Ua/PT). Mestre em Tecnologia Educacional nas Ciências da Saúde (NUTES/ UFRJ). Licenciado em Química (UFRJ) e em Física (UNIS). Técnico em Química. Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ/Macaé). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Saúde (NUTES/UFRJ). Professor do Mestrado Profissional em Ensino de Química (PEQUI/UFRJ). Líder do Grupo de Pesquisa em Linguagens no Ensino de Ciências (LINEC-UFRJ/Macaé). Colaborador do Coletivo de Pesquisa em Cinema Ambiental (CUCA-NUPEM/ UFRJ). Colaborador do Grupo de Estudos em Educação Ambiental desde el Sur (GEASUR/UNIRIO). Colaborador do Laboratório de Linguagens e Mediações (LLM NUTES/UFRJ). Membro do Núcleo de estudos Afro-brasileiro e Indígena da cidade universitária de Macaé (NEABI). Pesquisas no campo da Educação e Divulgação em Ciências, com ênfase nas temáticas de formação de professores, decolonialidade, direitos humanos, interculturalidade, educação ambiental, educação emancipatória, mídias, espaços escolares, não escolares e virtuais de educação.

Downloads

Publicado

2022-10-24

Como Citar

NASCIMENTO, H. A. S. do; CASTRO, D. J. F. de A.; DUTRA, D. S. de A.; MONTEIRO, B. A. P. Vivências pandêmicas: ensino remoto, educação e subjetividade em tempos de coronavírus. Revista Thema, Pelotas, v. 21, n. 3, p. 886–902, 2022. DOI: 10.15536/thema.V21.2022.886-902.2181. Disponível em: https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/2181. Acesso em: 20 jun. 2024.

Edição

Seção

Ciências Humanas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)