Influência do armazenamento, temperatura e fotoperíodo no potencial fisiológico das sementes de Physalis peruviana (Linnaeus, 1763, Solanaceae)

Autores

  • Vagner Ribeiro Gaier Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, IFRS - Campus Rolante.
  • Fernando Luis Hillebrand Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, IFRS - Campus Rolante.
  • Cristina Copstein Cuchiara Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, IFRS - Campus Rolante.
  • Rafael Pivotto Bortolotto Universidade de Cruz Alta, UNICRUZ - Campus Cruz Alta.
  • Jana Koefender Universidade de Cruz Alta, UNICRUZ - Campus Cruz Alta.

DOI:

https://doi.org/10.15536/thema.V16.2019.832-844.1516

Palavras-chave:

Germinação, qualidade fisiológica, tecnologia de sementes.

Resumo

O propósito do trabalho foi verificar a qualidade fisiológica das sementes da fisális (Physalis peruviana L.) tendo em vista que a cultura vem se destacando e ganhando espaço no mercado brasileiro como uma alternativa de diversificação na produção agrícola para os agricultores familiares. Foram realizados dois experimentos, sendo o primeiro avaliando a temperatura e a luminosidade na germinação das sementes, e o segundo avaliando a influência do tempo de armazenamento das sementes na germinação e vigor. Foram aplicados os testes de germinação, teste a frio sem terra e envelhecimento acelerado para verificar o comportamento em diferentes períodos de armazenamento (zero, 30, 60, 120, 180 e 240 dias). Em ambas as avaliações se aplicaram o Delineamento Inteiramente Casualizado (DIC), sendo que os resultados entre a germinação e temperatura foram submetidos à ANOVA, e entre a germinação e o período de armazenamento analisados também pela ANOVA e aplicado a regressão polinomial, ambas ao nível de significância de 5%. A pesquisa constatou que o percentual de germinação é maior aos 28 dias após a semeadura, na temperatura de 20º C, entretanto, não diferem estatisticamente entre as avaliações realizadas aos 21 e 28 dias, nas temperaturas 20, 25 e 30º C. Já o período de armazenamento apresentou correlação linear negativa no potencial fisiológico das sementes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Luis Hillebrand, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, IFRS - Campus Rolante.

Graduação em Agronomia (2007), mestrado em Geomática na área de concentração de Tecnologias da Geoinformação (2012), ambos pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e doutorando em Sensoriamento Remoto pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Desde 2016 professor efetivo no Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS). Atuação profissional e docente nas áreas de conhecimento em geociências e ciências agrárias. Integrante do Centro Polar e Climático da UFRGS pelo Programa de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto, realizando pesquisas relacionadas a criosfera no Continente Antártico.

Downloads

Publicado

2020-01-14

Como Citar

Gaier, V. R., Hillebrand, F. L., Cuchiara, C. C., Bortolotto, R. P., & Koefender, J. (2020). Influência do armazenamento, temperatura e fotoperíodo no potencial fisiológico das sementes de Physalis peruviana (Linnaeus, 1763, Solanaceae). Revista Thema, 16(4), 832-844. https://doi.org/10.15536/thema.V16.2019.832-844.1516

Edição

Seção

Ciências Agrárias