Desempenho inicial de acessos de Opuntia spp. com resistência à Dactylopius opuntiae no Semiárido paraibano

Autores

  • João Paulo de Oliveira Santos Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Areia/PB - Brasil
  • Manoel Bandeira de Albuquerque Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Areia/PB - Brasil
  • Isaias Vitorino Batista de Almeida Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária - EMPAER, Areia/PB - Brasil
  • Mateus Costa Batista Universidade Federal de Campina Grande
  • José Rayan Eraldo Souza Araújo Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Areia/PB - Brasil
  • José Thyago Aires Souza Instituto Nacional do Semiárido - INSA, Campina Grande/PB - Brasil
  • Walter Esfrain Pereira Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Areia/PB - Brasil
  • João Henrique Barbosa da Silva Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Areia/PB - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.15536/thema.V22.2023.298-315.3203

Palavras-chave:

adaptação, produtividade, trocas gasosas, palma forrageira

Resumo

No Semiárido Brasileiro, espécies do gênero Opuntia detêm relevante importância como reserva forrageira. No entanto, algumas pragas, como Dactylopius opuntiae, representam um entrave para essa cultura. Nesse sentido, avaliou-se 15 acessos de Opuntia com resistência esta praga, quanto aos aspectos morfológicos, produtivos e de trocas gasosas. As avaliações foram feitas 180 dias após o plantio, sendo mensuradas variáveis como altura e largura de plantas, índice de área de cladódio, sobrevivência, produtividade de matéria fresca, taxa de captação de CO2, eficiência instantânea de uso da água, eficiência intrínseca do uso de água e eficiência de carboxilação instantânea. Os resultados demonstraram elevada variabilidade entre os acessos para as variáveis morfológicas e produtivas. A análise de componentes principais evidenciou forte associação entre as características morfológicas e a taxa de captação de CO2, eficiência instantânea de uso da água, eficiência intrínseca do uso de água e eficiência de carboxilação instantânea. Neste estudo foram identificados acessos de Opuntia com características superiores, como os acessos 48, 49, 75, 91 e 100.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo de Oliveira Santos, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Areia/PB - Brasil

Doutor em Agronomia pela Universidade Federal da Paraíba (2023), Mestre em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2019) e Especialista em Desenvolvimento e Meio Ambiente pelo Instituto Federal da Paraíba (2023). Engenheiro Agrônomo formado pela Universidade Federal da Paraíba (2017). Atuou como Diretor de Recursos Humanos da ACJ (Agropecuária Consultoria Junior) do Campus II da UFPB no período de 2012/2013. Durante a graduação participou de Programas de Extensão e Iniciação Científica, tendo recebido em 2016 o Prêmio Jovem Investigador pelo trabalho de Iniciação Científica PIBIC/CNPq desenvolvido na vigência 2014-2015. Finalizado o curso de Agronomia, recebeu a Láurea Acadêmica Destaque da Graduação - 1º Lugar, por seu desempenho acadêmico. Atualmente é Técnico de Laboratório - Agropecuária do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins.

Manoel Bandeira de Albuquerque, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Areia/PB - Brasil

Técnico em Agropecuária pela extinta Escola Agrotécnica Federal de Barreiros (EAFB, atual IFPE) em 1994. Graduado em Engenharia Agronômica em 2001 e mestre em Botânica em 2004 pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. Doutorado em Biologia com especialidade em Ecologia pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra em 2008. Bolsista DCR da Embrapa Algodão até 2009. Desde 2010 é Professor do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais (DFCA) do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da UFPB, atualmente na categoria de Associado II. Atuou de 2012 a 2017 como professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo (PPGCS/CCA/UFPB), desde 2014 como Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Agronomia (PPGA/CCA/UFPB), e de 2015 a 2019 atuou como professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade (PPGB/CCA/UFPB). Atualmente é professor colaborador no referido Programa. Foi Assessor de Pesquisa do CCA entre 2010-2011, Coordenador do Curso de Graduação em Agronomia entre 2011-2013, Sub-Chefe do DFCA entre 2013 a 2015 e atuou até 2016 como do Chefe do DFCA. Desde janeiro de 2017 atua como Diretor do Centro de Ciências Agrárias da UFPB. Tem como campo de pesquisa científica a área de ecofisiologia de plantas sob situações de estresses abióticos (seca, salinidade e metais pesados) e bióticos (alelopatia) em ecossistemas naturais e agroecossistemas. Atualmente tem orientado pesquisas na área de Ecofisiologia de plantas de subbosque em Brejos de Altitude e de Plantas cultivadas.

Isaias Vitorino Batista de Almeida, Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária - EMPAER, Areia/PB - Brasil

Graduado em Agronomia (2009) pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Areia-PB; Possui Doutorado em Agronomia (2017) pela UFPB; Mestrado em Ciências Agrárias (2014) pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Campina Grande-PB; Especialização em Proteção de Plantas (2012) pela Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-MG. Atualmente é pesquisador na área de melhoramento genético vegetal, com ênfase em Opuntia spp. e plantas xerófilas, na Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária (EMPAER), Estação Experimental Pendência, Soledade-PB.

Mateus Costa Batista, Universidade Federal de Campina Grande

Graduado em Agronomia pela Universidade Federal da Paraíba / Centro de Ciências Agrárias campus II - Areia-PB. Durante a graduação foi estagiário do Laboratório de Matéria Orgânica do Solo - CCA/UFPB. Membro fundador do Grupo de Estudos em Desenvolvimento Sustentável e Convivência com o Semiárido (GESA). Foi bolsista de Iniciação Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico (CNPq) entre agosto de 2014 e janeiro de 2017.Atuou como Monitor bolsista da disciplina de Matemática II no período de 2013.2 a 2014.1. Mestre pelo Programa de Pós Graduação em Engenharia Agrícola da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) na área de Irrigação e Drenagem, atuou com nutrição de plantas e salinidade em Cultivo Hidropônico. Atualmente é doutorando do Programa de Pós Graduação em Engenharia Agrícola da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) na área de Irrigação e Drenagem, atuando com melhoramento genético e fisiologia da Palma (Opuntia spp.).

José Rayan Eraldo Souza Araújo, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Areia/PB - Brasil

Graduando no curso de Agronomia pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB. Atuou como Monitor de Zoologia para o curso de Agronomia e Zootecnia. Foi Bolsista de Iniciação Científica Voluntária na área de Entomologia. Atualmente é Bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET AgroBio). Têm experiência em Fitossanidade com foco em Entomologia Agrícola, desenvolvendo pesquisas na área de Manejo Integrado de Insetos-Praga

José Thyago Aires Souza, Instituto Nacional do Semiárido - INSA, Campina Grande/PB - Brasil

Doutorado em Agronomia pelo Programa de Pós Graduação em Agronomia no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (PPGA/CCA/UFPB). Mestre em Agronomia PPGA-UFPB - Areia-PB (2016), Agroecólogo formado pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) pelo Centro de Ciências Agrárias e Ambientais, Lagoa Seca- PB (2013), Técnico Agrícola com Habilitação em Agropecuária pelo Colégio Agrícola Vidal de Negreiros (CAVN), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Bananeiras-PB (2008), Desempenha atividades com experiência na área de Agroecologia e Agronomia, com ênfase em Fruticultura, Manejo de solo, Desertificação, Manejo e cultivo de plantas xerófilas, principalmente palma forrageira e capim buffel no Semiárido Brasileiro, com experiência também em Assistência Técnica e Extensão Rural na região do Cariri Paraibano.

Walter Esfrain Pereira, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Areia/PB - Brasil

Possui graduação em Engenharia Agronômica - Universidad Nacional de Asunción (1992), mestrado em Fitotecnia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa (1996) e doutorado em Fitotecnia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa (2001). Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal da Paraíba.

João Henrique Barbosa da Silva, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Areia/PB - Brasil

Mestrando em Agronomia pela Universidade Federal da Paraíba, atuando na linha de Olericultura. Engenheiro Agrônomo formado pela Universidade Federal da Paraíba (2022). Durante a graduação participou de Programas de Pesquisa, Ensino e Extensão, atuando como bolsista no Programa de Educação Tutorial (PETagrobio). Participou do Grupo de Estudos Sucroenergético (GESUCRO/CCA/UFPB). Tem experiência na área de Fitotecnia com foco na produção de grandes culturas, em que desenvolveu pesquisas na área de manejo da adubação e tratos culturais em cana-de-açúcar.

Downloads

Publicado

2023-06-21

Como Citar

SANTOS, J. P. de O.; ALBUQUERQUE, M. B. de; ALMEIDA, I. V. B. de; BATISTA, M. C.; ARAÚJO, J. R. E. S.; SOUZA, J. T. A.; PEREIRA, W. E.; SILVA, J. H. B. da. Desempenho inicial de acessos de Opuntia spp. com resistência à Dactylopius opuntiae no Semiárido paraibano. Revista Thema, Pelotas, v. 22, n. 1, p. 298–315, 2023. DOI: 10.15536/thema.V22.2023.298-315.3203. Disponível em: https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/3203. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Ciências Agrárias