Viabilidade de sementes hortícolas submetidas a tratamentos com altas diluições

Autores

  • Aline Nunes Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC http://orcid.org/0000-0002-7758-2681
  • Mariangela de Souza Damasceno Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Marilia Michalski de Pieri Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Angélica Schmitz Heinzen Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Leonardo Oliboni do Amaral Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

DOI:

https://doi.org/10.15536/thema.15.2018.1521-1530.968

Palavras-chave:

Homeopatia, Hortaliças, Produção orgânica, Preparados homeopáticos.

Resumo

O objetivo desse estudo foi avaliar o efeito das altas diluições dinamizadas na germinação de sementes de Brassica oleracea (couve); Lactuca sativa (alface) em três variedades e; Solanum lycopersicum (tomate). Foram realizados dois bioensaios, com delineamento experimental inteiramente casualizado. O primeiro foi conduzido no Laboratório de Sementes da Universidade do estado de Santa Catarina, Lages/SC, utilizando câmaras de germinação, com 50 sementes de cada espécie hortícola e 4 repetições. Os preparados homeopáticos foram Natrum muriaticum, Nux vomica e Arsenicum album. O segundo foi realizado em casa de vegetação na Embrapa Uva e Vinho, Estação Experimental de Fruticultura de Clima Temperado, Vacaria/RS, com 20 sementes e 3 repetições das três variedades de alface, com o preparado Nux vomica. Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey. Em câmara de germinação, os preparados não apresentaram melhores índices de germinação. Em casa de vegetação as cultivares responderam de maneira diferente aos tratamentos. A variedade Manteiga apresentou melhores resultados com Nux vomica. O preparado Nux vomica apresenta capacidade de atuar como estimulante na germinação das sementes de alface da cultivar Manteiga, possibilitando a produção ecológica de mudas homogêneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Nunes, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Possui graduação em Ciências Biológicas no Centro Universitário Unifacvest (2016). Mestranda em Produção Vegetal na Universidade do Estado de Santa Catarina/CAV. Tem experiência em educação ambiental, sustentabilidade, agroecologia, levantamento de fauna e flora e agrohomeopatia.

Mariangela de Souza Damasceno, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Bacharel em Agronomia pela Universidade de Caxias do Sul, Câmpus Vacaria (2010), cursou Especialização em Proteção de Plantas pela Universidade de Passo Fundo (2013) e possui Licenciatura Plena em Agronomia, pelo IFRS - Campus Sertão (2014). Atualmente é professora na Escola Estadual Técnica Agrícola Desidério Finamor, nas disciplinas de Agricultura Geral, Construções e Instalações Rurais e Adubação, Uso, Manejo e Conservação do Solo e orientação de projetos de pesquisa na mesma instituição de ensino. Cursa Mestrado em Produção Vegetal na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Lages, linha de pesquisa Proteção de Plantas e Agroecologia.

Marilia Michalski de Pieri, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Possui técnico em Biotecnologia pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC-SC), graduação em Agronomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC-CAV). Participou do programa de iniciação científica nas duas instituições. Atualmente é aluna de Mestrado do Programa de Pós Graduação em Produção Vegetal (UDESC-CAV), em Fisiologia Vegetal e Manejo de plantas.

Angélica Schmitz Heinzen, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Mestre em produção Vegetal pela Universidade do Estado de Santa Catarina- UDESC, finalizado 07/2016. Engenheira Agrônoma pela Universidade do Estado de Santa Catarina- UDESC, no ano de 2012. Tem experiência na área de Fisiologia Vegetal e Tecnologia em Pós-colheita, com ênfase nos temas qualidade de fruteiras de clima temperado, armazenamento de frutos, nutrição mineral e manejo de doenças pós-colheita. Estágio de conclusão de curso na área de plantas de lavoura, principalmente com as culturas de trigo, milho e soja. Além de experiência como auxiliar técnico, prestação de serviço da empresa Ecorural Serviços em Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural ao Ministério do Desenvolvimento Agrário- MDA durante o ano de 2013.

Leonardo Oliboni do Amaral, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Graduado em Agronomia pela Universidade de Caxias do Sul - UCS, atua na área de fruticultura, com ênfase na cultura da macieira, frutas de caroço e pequenas frutas. Têm experiência na área de manejo, pós-colheita, armazenamento e controle de qualidade de frutas de clima temperado.

Downloads

Publicado

2018-10-03

Como Citar

Nunes, A., Damasceno, M. de S., Pieri, M. M. de, Heinzen, A. S., & Amaral, L. O. do. (2018). Viabilidade de sementes hortícolas submetidas a tratamentos com altas diluições. Revista Thema, 15(4), 1521-1530. https://doi.org/10.15536/thema.15.2018.1521-1530.968

Edição

Seção

Ciências Agrárias