Atualizações em ventosaterapia para pessoas com dor lombar crônica inespecífica

uma revisão sistemática

Autores

  • Matheus Falcão Santos Marinho Centro Universitário UNIESP
  • Gilvane de Lima Araújo
  • Marcielly Dayanne Gomes Ferreira
  • Eleazar Marinho de Freitas Lucena

DOI:

https://doi.org/10.15536/thema.V21.2022.342-358.2443

Resumo

O presente estudo objetivou analisar o uso da ventosaterapia como terapêutica não farmacológica para tratar a dor lombar crônica inespecífica (DLCI). A presente revisão sistemática foi realizada no período de agosto de 2020 a março de 2021. Utilizaram-se as bases de dados da PubMED, BVS, Cochrane e Science Direct, com os seguintes descritores: “Cupping Therapy” and “Low Back Pain”. Foram incluídos estudos com adultos que abordassem os efeitos da ventosaterapia na dor lombar crônica inespecífica (DLCI), publicados em inglês ou português. Foram excluídos estudos que utilizaram a ventosaterapia para outras condições clínicas além da dor lombar crônica inespecífica (DLCI), artigos de revisão, artigos duplicados nas bases de dados. Foram utilizados os critérios do PRISMA na presente revisão. A ventosa tradicional foi a mais utilizada, os acupontos mais usados foram BL23-BL25 bilaterais, o tempo da terapia mais utilizado foi 5-10 minutos, a duração do tratamento mais frequente foi de duas a quatro semanas. Todos os estudos mostraram resultados benéficos, reduzindo a dor e incapacidade nos indivíduos avaliados. Exceto um estudo que demonstrou que a ventosa não foi eficaz e observou que ela promove melhores resultados quando associada a outro tipo de intervenção.

Palavras-chave: Ventosaterapia; dor lombar; fisioterapia; medicina tradicional chinesa; qualidade de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-05-20

Como Citar

Marinho, M. F. S., Araújo, G. de L., Ferreira, M. D. G., & Lucena, E. M. de F. (2022). Atualizações em ventosaterapia para pessoas com dor lombar crônica inespecífica: uma revisão sistemática. Revista Thema, 21(2), 342–358. https://doi.org/10.15536/thema.V21.2022.342-358.2443

Edição

Seção

Ciências da Saúde