O descaso epistêmico diante da pandemia de COVID-19 no Brasil

Autores

  • Luiz Guilherme Lucho de Araujo Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Marcelo Leandro Eichler Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, RS, BR

DOI:

https://doi.org/10.15536/thema.V21.2022.174-189.2184

Resumo

Tratando-se de um vício epistêmico, a atitude do descaso epistêmico diante da pandemia COVID-19 trouxe diversos empecilhos, principalmente para a conscientização da população sobre a importância dos protocolos a serem seguidos. As informações sobre os riscos do novo coronavírus foram distorcidas, causando dúvidas, elemento chave para a malevolência epistêmica. Este trabalho buscou contextualizar o descaso epistêmico, propondo a utilização desse vício epistemológico para refletir sobre posturas negacionistas ou minimalistas diante da pandemia. Com centenas de milhares de mortes confirmadas, dizer que o Brasil lidou bem com a situação demonstra o descaso durante a pandemia. O país ainda sofre com as consequências desse período e corre o risco de postergar ainda mais o seu fim, pois mesmo com avanços científicos e a produção de vacinas que são eficazes diante do coronavírus, as decisões e medidas durante a pandemia indicam uma posição negacionista e perigosa. Entendemos ser necessário enfrentar o obscurantismo gerado pelo descaso epistêmico. Nesse sentido, uma das formas de lidar com o conjunto de vícios epistêmicos é formular estratégias de educação, de comunicação e de conscientização. Assim, defendemos um ensino de ciências crítico e direto, no qual há uma comunicação adaptada ao público, evitando ou prevenindo a manipulação de informações e a desqualificação de estudos com metodologias científicas.

Palavras-chave: Descaso epistêmico; COVID-19; desinformação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-04-06

Como Citar

Lucho de Araujo, L. G., & Eichler, M. . L. (2022). O descaso epistêmico diante da pandemia de COVID-19 no Brasil. Revista Thema, 21(1), 174–189. https://doi.org/10.15536/thema.V21.2022.174-189.2184

Edição

Seção

Ciências Humanas