Design do fracasso: A transgressão como resistência contra-hegemônica na prática do design

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/2594-4398.2022.v6.n8.pp.042-054.2645

Palavras-chave:

design, fracasso, transgressão

Resumo

A oposição entre sucesso e fracasso, de acordo com o autor Jack Halberstam (2020), é fruto da lógica social de assimetrias inerentes ao regime capitalista. O "sucesso" é reservado para uma parcela "bem sucedida" da sociedade, enquanto, para as margens, resta o "fracasso". O design, por sua vez, localizado enquanto profissão no contexto capitalista, é quase indissociável desse ideal “bem sucedido”. A partir deste entendimento, a presente investigação visa refletir sobre as aproximações do campo do design com a prática social do fracasso, amparada por teorias dos estudos culturais, de modo a tecer críticas ao campo e imaginar possibilidades para um design transgressor que fomente a diminuição das desigualdades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Carvalho da Rosa, Universidade Federal de Pelotas

Doutor em Comunicação Social, PUCRS

Referências

BONSIEPE, Gui. Design and democracy. Design Issues. v. 22, n. 2, p. 27-34, 2006.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2017.

BECCARI, Marcos. O Design a partir do Sistema dos Objetos de Baudrillard. In: IV Simpósio Nacional de Tecnologia e Sociedade, 2011, Curitiba/PR. Anais do IV Simpósio Nacional de Tecnologia e Sociedade. Curitiba: Programa de Pós-Graduação em Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2011.

BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

CARDOSO, Rafael. Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Editora Vozes, 1998.

CIPINIUK, Alberto. Design: o livro dos porquês. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Ed. Reflexão, 2014.

_________. O campo do design e a crise do monopólio da crença. São Paulo: Blucher, 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1987.

GARCÍA, Mariángeles. Las mujeres olvidadas de la Bauhaus. Yorokobu, 2018, online. Disponível em: <https://www.yorokobu.es/mujeres-bauhaus/>. Acesso em 10 out. 2021.

HALBERSTAM, Jack. A arte queer do fracasso. Recife: Cepe, 2020.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

STALLYBRASS, Peter; WHITE, Allon. The politics and poetics of transgression. Ithaca: Cornell University Press, 1986.

PATER, Ruben. Políticas do design. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e materialismo. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

Publicado

2022-12-31

Como Citar

DE ANDRADE MÜLLER, S.; CARVALHO DA ROSA, G. Design do fracasso: A transgressão como resistência contra-hegemônica na prática do design. Revista Poliedro, Pelotas, Brasil, v. 6, n. 8, p. 042–054, 2022. DOI: 10.15536/2594-4398.2022.v6.n8.pp.042-054.2645. Disponível em: https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/poliedro/article/view/2645. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos