O simbolismo cromático da cor preta no design das capas de discos da Tropicália

Autores

  • Cláudio de Sousa Teixeira
  • Maycon Gustavo Costa dos Anjos

DOI:

https://doi.org/10.15536/2594-4398.2020.v4.n4.pp.005-033.1400

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o uso simbólico do preto e seu discurso representativo através das capas de discos da Tropicália, produzida no ano de 1968, no Brasil. Partindo do pressuposto de que a década de 1960, em termos cromáticos, não se caracterizou apenas pela influência da profusão de cores impulsionada pela eclosão dos movimentos psicodélicos e da Pop Art nos EUA, percebe-se então o uso do preto sob uma nova inflexão simbólica através de movimentos alternativos (artísticos e culturais) durante o século XX. De tal modo, essa função que se impôs como uma representação identitária constatada no invólucro desses álbuns (aqui observados através da análise semiótica) e amparada por uma pesquisa bibliográfica e documental, não se encontra apenas no campo do elegante e do moderno, mas sim como simbolismo de negação, tendo em vista os signos apresentados e reverenciados por um sentido diferente do que era utilizado em outras épocas, ao mesmo tempo em que se apresentava como oposição perante as cores nacionais utilizadas. O design gráfico tropicalista, em 1968, provocou um impacto visual subjetivamente reflexivo e conceitual, proporcionado por um hibridismo semiótico que reflete um movimento estético, principalmente através de suas cores, elementos de grande ênfase em suas capas. Contudo, percebe-se que não só o fenômeno percebido como profusão de cores merece atenção por parte da comunidade científica, mas também a função do preto, a qual esta pesquisa se dedica, a fim de entender o simbolismo e a influência cultural das convenções sociais perante o uso da cor.

Referências

BARTHES, Roland. Elementos da semiologia. (trad.) Izidro Blikstein. 16ª. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

BATCHELOR, David. Cromofobia. São Paulo: Editora Senac, 2007. Trad. Marcelo Mendes.

CALADO, Carlos. Tropicália: a história de uma revolução musical. São Paulo: Editora 34, 1997.

CALADO, Carlos. A divina comédia dos Mutantes. Editora 34, 1996.

CALDAS, Waldenyr. A cultura da juventude: de 1950 a 1970. Vol. 10. Musa Editora, 2008.

CARMO, Paulo Sérgio do. Culturas da rebeldia: a juventude em questão. 2 Edição. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2003.

COELHO, Teixeira. Moderno pós-moderno. L&PM Editores Ltda., 1986.

FAVARETTO, Celso F. Tropicália: alegoria, alegria. Ateliê editorial, 1996.

FLUSSER, Vilém. O Mundo Codificado. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

GUIMARÃES, Luciano. A cor como informação: a construção biofísica, linguística e cultural da simbologia das cores. São Paulo: Annablume, 2001.

HARVEY, John. Homens de Preto. Trad. Fernanda Veríssimo. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

HELLER, Eva, 1948-2008. A psicologia das cores: como as cores afetam a emoção e a razão. Tradução Maria Lúcia Lopes da Silva. 1. Ed. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.

HOLLIS, Richard. Design Gráfico: Uma História Concisa / Richard Hollis; tradução. Carlos Daudt. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

JOLY, Martine. Introdução à analise da imagem. 6. ed. Campinas: Papirus, 1996.

MELO, Chico Homem de. O design gráfico brasileiro: anos 60; Chico Homem de Melo (Org.) 2ª. Ed. São Paulo: Cosac: Naaify, Ed. 2008.

MELO, Chico Homem de (org.) and Elaine Ramos (org.). Linha do tempo do design gráfico no Brasil. Cosac Naify, São Paulo; 1ª edição, 2011.

PASTOUREAU, Michel. Preto: história de uma cor. Trad. Léa P. Zylberlicht. São Paulo: Editora Senac São Paulo : Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008;

PASTOREAU, Michel. Dicionário das cores do nosso tempo: simbólica e Sociedade. Trad. Maria José Figueiredo. Lisboa: Editions Bonneton. Editorial Estampa (tradução), 1997.

PEDROSA, Israel. Da Cor à Cor Inexistente. 10. Ed. 3. reimpr. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2014.

PIETROFORTE, Antonio Vicente. Análise do texto visual: a construção da imagem. Editora Contexto, 2007.

RODRIGUES, Jorge Caê. Anos fatais: design, música e Tropicalismo. Rio de Janeiro: 2AB, 2007.

WANNER, Maria Celeste de Almeida. Paisagens sígnicas: uma reflexão sobre as artes visuais contemporâneas. SciELO-EDUFBA, 2010.

WEAVER, Mabel. Color Symbolism: Detailed Study of Colors and their Meaning, Amazon Media Press, 2014.

WOLF, Peter J. Design gráfico: um dicionário visual de termos para um design global. São Paulo: Ed. Edgar Blücher Ltda, 2011.

ZAPPA, Regina, and Ernesto Soto. 1968: eles só queriam mudar o mundo. Zahar, 2011.

Publicado

2020-12-17

Como Citar

TEIXEIRA, C. de S.; DOS ANJOS, M. G. C. O simbolismo cromático da cor preta no design das capas de discos da Tropicália. Revista Poliedro, Pelotas, Brasil, v. 4, n. 4, p. 005-033, 2020. DOI: 10.15536/2594-4398.2020.v4.n4.pp.005-033.1400. Disponível em: https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/poliedro/article/view/1400. Acesso em: 29 jul. 2021.

Edição

Seção

Artigos