Distanciamento social e o achatamento das curvas de mortalidade por COVID-19: uma comparação entre o Brasil e epicentros da pandemia

Fabiano Peruzzo Schwartz

Resumo


O presente ensaio discute o possível efeito da adoção do distanciamento social nas curvas de mortalidade por COVID-19 e os respectivos impactos nos sistemas de saúde em quatro países: Itália, Espanha e Estados Unidos, já declarados epicentros da pandemia, e Brasil, apontado como o possível novo epicentro mundial. Foram levantadas informações referentes a indicadores de mobilidade, políticas de distanciamento social, número de mortes e quantitativo de recursos hospitalares. Os resultados mostraram o achatamento das curvas de mortalidade para Estados Unidos e Brasil, onde foi observada já nos estágios iniciais da pandemia a redução significativa da mobilidade, decorrente principalmente das medidas de distanciamento. Contudo, no caso brasileiro, tendência de ascensão da curva de mortalidade indica que o distanciamento social não foi suficiente para reverter o processo de multiplicação da doença, o que requer atenção das autoridades.


Palavras-chave


Distanciamento social; mobilidade; mortalidade; covid-19; sistemas de saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15536/thema.V18.Especial.2020.54-69.1810

Revista Thema

__________________________

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul).
Pelotas/RS - Brasil. 


Indexadores / Indexing

Logotipo do Crossref          

  Logotipo do Latindex