Revista Thema https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema <p>A <strong>Revista Thema</strong> (ISSN Eletrônico <strong>2177-2894</strong>) é um periódico trimestral multidisciplinar focado nas áreas de Ensino e de Educação, editado pelo <strong>Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense</strong> (<strong>IFSul</strong>). A gestão editorial desta revista é automatizada por meio do <em>Open Journal Systems</em> (OJS), aplicativo computacional de gerenciamento e publicação de revistas eletrônicas desenvolvido pelo <em>Public Knowledge Project</em> (PKP), da <em>University of British Columbia</em>. A submissão de artigos é contínua e feita exclusivamente por meio deste site. Para avaliação dos artigos submetidos será adotado o processo <em>Blind Review</em> (avaliação cega).</p> IFSul pt-BR Revista Thema 1517-6312 <p>DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Certifico que participei da concepção do trabalho, em parte ou na íntegra, que não omiti quaisquer ligações ou acordos de financiamento entre os autores e companhias que possam ter interesse na publicação desse artigo. Certifico que o texto é original e que o trabalho, em parte ou na íntegra, ou qualquer outro trabalho com conteúdo substancialmente similar, de minha autoria, não foi enviado a outra revista e não o será enquanto sua publicação estiver sendo considerada pela Revista Thema, quer seja no formato impresso ou no eletrônico.</p><p>O autor responsável pela submissão representa todos os autores do trabalho e, ao enviar o artigo para a revista, está garantindo que tem a permissão de todos para fazê-lo. Da mesma forma, assegura que o artigo não viola direitos autorais e que não há plágio no trabalho. A revista não se responsabiliza pelas opiniões emitidas.</p><p>A Revista Thema é de acesso aberto (Open Access), sem que haja a necessidade de pagamentos de taxas, seja para submissão ou processamento dos artigos. A revista adota a definição da <em>Budapest Open Access Initiative (BOAI)</em>, ou seja, <strong>os usuários possuem o direito de ler, baixar, copiar, distribuir, imprimir, buscar e fazer links diretos para os textos completos dos artigos nela publicados.</strong></p><p>Todos os artigos são publicados com a licença <a title="Creative Commons" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/" target="_blank">Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional</a>. Os autores mantém os direitos autorais sobre suas produções, devendo ser contatados diretamente se houver interesse em uso comercial dos trabalhos.</p><p><a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/"><img style="border-width: 0;" src="https://i.creativecommons.org/l/by-nc/4.0/88x31.png" alt="Creative Commons License" /></a></p> Atualizações em ventosaterapia para pessoas com dor lombar crônica inespecífica https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/2443 <p style="margin-top: 0.25cm; margin-bottom: 0.25cm;" align="justify"><span style="font-size: small;">O presente estudo objetivou analisar o uso da ventosaterapia como terapêutica não farmacológica para tratar a dor lombar crônica inespecífica (DLCI). A presente revisão sistemática foi realizada no período de agosto de 2020 a março de 2021. Utilizaram-se as bases de dados da PubMED, BVS, Cochrane e Science Direct, com os seguintes descritores: “<em>Cupping Therapy</em>” and “<em>Low Back Pain</em>”. Foram incluídos estudos com adultos que abordassem os efeitos da ventosaterapia na dor lombar crônica inespecífica (DLCI), publicados em inglês ou português. Foram excluídos estudos que utilizaram a ventosaterapia para outras condições clínicas além da dor lombar crônica inespecífica (DLCI), artigos de revisão, artigos duplicados nas bases de dados. Foram utilizados os critérios do PRISMA na presente revisão. A ventosa tradicional foi a mais utilizada, os acupontos mais usados foram BL23-BL25 bilaterais, o tempo da terapia mais utilizado foi 5-10 minutos, a duração do tratamento mais frequente foi de duas a quatro semanas. Todos os estudos mostraram resultados benéficos, reduzindo a dor e incapacidade nos indivíduos avaliados. Exceto um estudo que demonstrou que a ventosa não foi eficaz e observou que ela promove melhores resultados quando associada a outro tipo de intervenção.</span></p> <p style="margin-top: 0.25cm; margin-bottom: 0.25cm;" align="justify"><span style="font-size: small;"><strong>Palavras-chave</strong>: <span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">Ventosaterapia; </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">d</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">or lombar; </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">f</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">isioterapia; </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">m</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">edicina </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">t</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">radicional </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">c</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">hinesa; </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">q</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">ualidade de vida.</span></span></span></span></span></p> Matheus Falcão Santos Marinho Gilvane de Lima Araújo Marcielly Dayanne Gomes Ferreira Eleazar Marinho de Freitas Lucena Copyright (c) 2022 Revista Thema 2022-05-20 2022-05-20 21 2 342 358 10.15536/thema.V21.2022.342-358.2443 Resenha do livro "A Tecnologia é boa para a Educação?" de Neil Selwyn https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/1727 <p align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-size: small;">Esta resenha apresenta as ideias de Neil Selwyn sobre as implicações da inserção das tecnologias na educação abordadas no livro <em>A tecnologia é boa para a educação?</em>. O autor discute sobre as complexidades sociais, políticas, econômicas e culturais que subjazem a Educação Tecnológica – EdTec. Seu estilo de escrita suscita reflexões sobre diversos aspectos que implicam o uso da tecnologia. Ele busca provocar o leitor a se questionar sobre como as mudanças sociais e culturais ocasionadas pela tecnologia podem marginalizar uma parte da população mundial.</span></span></p> <p align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-size: small;"><strong>Palavras-chave</strong>: Tecnologia; educação; visão crítica. </span></span></p> Marly Kruger de Pesce Copyright (c) 2022 Revista Thema 2022-05-20 2022-05-20 21 2 359 362 10.15536/thema.V21.2022.359-362.1727 A rusticidade do milho crioulo pode lhe proteger da influência alelopática de Stachytarpheta cayennensis (LC. Rich.) Vahl.? https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/2514 <p style="margin-top: 0.25cm; margin-bottom: 0.25cm;" align="justify"><span style="font-size: small;">Há tempos que se tem conhecimento da importância da alelopatia como mecanismo ecológico de interação entre espécies, que pode afetar os organismos que interagem em determinados ambientes. Entretanto, há necessidade de aprofundar o conhecimento de como as espécies domesticadas foram perdendo a capacidade de adaptar à presença de aleloquímicos em seu entorno. O presente trabalho teve como objetivo comparar a germinação e o desenvolvimento inicial de sementes e plântulas de milho crioulo e híbrido na presença de aleloquímicos de <em>Stachytarpheta cayennensis</em>. As sementes de ambas as variedades foram colocadas para germinar sob substrato (vermiculita) umedecido com doses crescentes dessa planta daninha. Acompanhou-se a germinação e o desenvolvimento inicial das plântulas e percebeu-se que, mesmo havendo capacidade do milho híbrido em germinar e crescer nessa condição, a variedade crioula demonstrou ser mais tolerante ao aumento das concentrações do extrato de <em>S. cayennensis</em>.</span></p> <p style="margin-top: 0.25cm; margin-bottom: 0.25cm;" align="justify"><span style="font-size: small;"><strong>Palavras-chave</strong>: <span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">Gervão; </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><em><span style="font-weight: normal;">Zea</span></em></span></span></span> <span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><em><span style="font-weight: normal;">mays </span></em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><em><span style="font-weight: normal;">L.</span></em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">; alelopatia; germinação. </span></span></span></span></span></p> Teli Cristiane Brekowiec Kremer Ricardo Adriano Felito Oscar Mitsuo Yamashita Adriano Maltezo da Rocha Aureane Cristina Teixeira Ferreira Cãndido Marco Antonio Camillo de Carvalho Ivone Vieira da Silva Copyright (c) 2022 Revista Thema 2022-05-20 2022-05-20 21 2 332 341 10.15536/thema.V21.2022.332-341.2514 Caracterização e agrupamento das etnovariedades de mandioca, do Norte do Mato Grosso, mediante caracteres dos frutos https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/2523 <p style="margin-bottom: 0.25cm;" align="justify"><span style="font-size: small;"><span style="font-style: normal;">No Brasil, a mandioca</span> (<span lang="la-VA"><em>Manihot esculenta </em></span><span lang="la-VA">Crantz</span>) apresenta ampla diversidade genética, sendo uma das culturas de maior importância socioeconômica para o país. Diante disso, objetivou-se neste estudo estimar a diversidade genética existente entre 15 etnovariedades de mandioca, cultivadas no norte do estado de Mato Grosso, por meio de descritores dos frutos. Foram avaliados 75 frutos, sendo cinco de cada etnovariedade. Foi realizada a análise conjunta dos dados qualitativos e quantitativos, com agrupamento pelo método UPGMA. Os resultados indicam que há predomínio de frutos com coloração externa verde e exocarpo rugoso. O comprimento do fruto variou de 16,6 a 19,4 mm, a largura de 16,0 a 17,9 mm e massa de 1,7 a 2,8 g. O dendrograma possibilitou a formação de três grupos distintos, confirmando a variabilidade fenotípica existente entre as etnovariedades, com base nos descritores avaliados. Os descritores dos frutos foram eficientes na detecção da diversidade genética existente entre as etnovariedades de mandioca. A etnovariedade Liberata (ETNO08) destaca-se com a maior variabilidade fenotípica entre o germoplasma avaliado.</span></p> <p style="margin-bottom: 0.25cm;" align="justify"><span style="font-size: small;"><strong>Palavras-chave</strong>: <span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">Macaxeira; </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="la-VA"><em><span style="font-weight: normal;">Manihot esculenta</span></em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">; variabilidade fenotípica.</span></span></span></span></span></p> Viviane Martins Eliane Cristina Moreno de Pedri Ana Aparecida Bandini Rossi Copyright (c) 2022 Revista Thema 2022-05-20 2022-05-20 21 2 323 331 10.15536/thema.V21.2022.323-331.2523 Quem é a mais bonita? https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/2060 <p style="margin-top: 0.25cm; margin-bottom: 0.25cm;" align="justify"><span style="font-size: small;"><span style="color: #000000;">Este estudo analisa a forma como moda e beleza são representadas em duas edições da revista Estilo de Vida (InStyle) publicadas em dois diferentes anos, tendo como objetivo a representação e a representatividade da mulher negra. Para isso, analisamos as capas e fizemos um estudo do seu conteúdo com o fito de verificar quais representações são escolhidas para compor as edições. O estudo se ancora teórica e metodologicamente na Análise de </span><span style="color: #000000;">Discurso Crítica - ADC) em uma abordagem de linguística textualmente orientada, cujo foco é a análise de uma prática social em particular. Esperamos, como resultados, contribuir para estudos que tenham como objetivo a análise de racismo e antirracismo.</span></span></p> <p style="margin-top: 0.25cm; margin-bottom: 0.25cm;" align="justify"><span style="font-size: small;"><strong>Palavras-chave</strong>: <span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">Discurso; </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">r</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">epresentação; </span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">b</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Tahoma, sans-serif;"><span lang="pt-BR"><span style="font-weight: normal;">eleza. </span></span></span></span></span></p> Francisca Cordelia Oliveira da Silva Rodrigo dos Santos Camilo Gisele Azevedo Rodrigues Copyright (c) 2022 Revista Thema 2022-05-20 2022-05-20 21 2 363 373 10.15536/thema.V21.2022.363-373.2060