História da Educação Científica: revisando aspectos e construindo perspectivas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2053

Palavras-chave:

Educação Científica, Revisão de Literatura, História da Educação Científica

Resumo

Esta revisão de literatura tem como objeto de estudo a história da educação científica do final do século XX até o começo do século XXI a partir de três objetivos específicos: compreender os fatores político-econômicos que interferiram no desenvolvimento da educação científica, analisar os fatores culturais e pedagógicos que permearam essa história, e discutir os caminhos que a educação científica tem para o século XXI. Constitui, portanto, de uma pesquisa bibliográfica de cunho histórico, cujas outras pesquisas são consideradas fontes secundárias. Observamos uma convergência dos autores para compreensão de que as concepções de ciências e ensino de ciências positivistas, ainda hegemônicos, decorrem de uma história marcada por fortes influências políticas, econômicas, culturais e pedagógicas estadunidenses. Contudo, pesquisas recentes trazem novas contribuições sobre o papel da ciência e do ensino de ciências na era da informação, o que pode significar uma mudança de perspectivas e uma nova forma de se construir a educação científica do século XXI.

Biografia do Autor

Lucas de Sousa Ribeiro, SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FORTALEZA

Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Ceará. Mestre em Educação, área de concentração foi Educação Brasileira, na linha Educação, Currículo e Ensino, pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Foi bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET/Biologia), do Programa Ciências Sem Fronteiras - Itália, com graduação sanduíche na Università di Bologna - IT. Participou da Liga de Direitos Humanos/Nucepec/UFC, do Laboratório de Ensino em Biologia/UFC, do Laboratório de Biologia Celular/UFC, do Laboratório em Bioprospecção de Recursos Regionais/FisiologiaAnimal e do Centro Studi e Ricerche in Salute Internazionale e Interculturale/UniBo. Participou de pesquisas na área de Ensino de Ciências, ao qual teve experiência em iniciação científica/CNPq. Tem experiência nas áreas de Educação e Ensino de Ciências, atuando como professor de Educação Básica do Município de Fortaleza-CE e do Governo do Estado do Ceará.

Maria Danielle Araújo Mota , Universidade Federal de Alagoas

Professora da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Campus A.C Simões. Doutora e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira (PPGE) da Universidade Federal do Ceará (UFC), Eixo Ensino de Ciências. Licenciada em Ciências Biológicas pela Faculdade de Educação de Itapipoca (FACEDI- UECE). Atua na área de Formação de Professores de Ciências e Biologia.

Raquel Crosara Maia Leite, Universidade Federal do Ceará

Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Uberlândia (1990), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (1998) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2004). Atualmente é docente associado I da Universidade Federal do Ceará, lotada no Departamento de Teoria e Prática do Ensino , FACED. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira e do Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática (ENCIMA). http://orcid.org/0000-0002-1563-9670

Referências

BONFIM, H. C. C.; GUIMARÃES, O. M. Abordagem CTs no ensino de ciências nos anos iniciais do ensino fundamental: um caminho para a cidadania. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCERE, 12., 2015, Curitiba. Anais... Curitiba: PUC-PR, 2015. p. 16437-16452.

BRANDÃO, M. de L. P.; DIAS, A. I. Imagens distorcidas: atualizando o discurso sobre o telensino no Ceará. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2003.

CACHAPUZ, A. et al. (Org.). A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

CHALMERS, A F. Qué es esa cosa llamada ciencia? Madrid: Siglo Veitiuno, 1987.

CHASSOT, A. Ensino de ciências no começo da segunda metade do século da tecnologia. In: LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth (Org.). Curriculo de ciencias em debate. Campinas: Papirus, 2004. Cap. 1, p. 13-44.

DEWEY, J. Vida e educação. 5. ed. São Paulo: Nacional, 1978.

DOURADO, S. M. de A. Ensino de ciências no 5º ano do ensino fundamental: o currículo modelado e aspectos do currículo em ação. 2015. 133 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Educação Escolar, Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2015. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/bitstream/ handle/11449/124144/000828984.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 2 abr. 2020.

FERREIRA, A. A. L.; GUTMAN, G. O funcionalismo em seus primórdios: a psicologia a serviço da adaptação. In: JACÓ-VILELA, A. M.; FERREIRA, A. L. L.; PORTUGAL, F. T. (Org.) História da psicologia: rumos e percursos. Rio de janeiro: NAU, 2005. p. 121-140.

FERREIRA, Regina Maria Santiago. Letramento científico: conhecimentos construídos ao longo do ensino fundamental. 2013. 72 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013. Disponível em: <http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/5558/1/000446983-Texto+Completo-0.pdf>. Acesso em: 2 abr. 2017.

FEYRABEND, P. Contra o método. Lisboa: Relógio D’Água, 1993.

GIL-PEREZ, D. Contribución de la historia y de la filosofia de las ciências al desarrollo de um modelo de enseñanza/apredendizaje como investigación. Enseñaza de las ciências, [s. l.], v. 11, n. 2, p. 197-212, 1993.

JIMÉNEZ, A. P.; SANMARTÍ, N. ¿Qué ciencia enseñar?: objetivos y contenidos de la educación secundaria. In: CARMEN, del L. La enseñanza y el aprendizaje de las ciencias de la naturaleza en la educación secundaria. Barcelona: ICE-Horsori, 1997. p. 17-46.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo Perspec., São Paulo, v. 14, n. 1, p. 85-93, mar. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392000000100010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 8 jan. 2020.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1978.

LAUDAN, L. La metodologia de los programas de investigación científica. Madrid: Alianza, 1989.

LEITE, R. C. M. A construção coletiva do conhecimento científico: um exemplo no ensino de genética. 2004. 211 f. Tese (Doutorado) – Curso de Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/87537/204947.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 22 maio 2020.

LOGUERCIO, R. Q.; DEL PINO, J.C. . Em Defesa do Filosofar e do Historicizar Conceitos Científicos. Revista História da Educação (UFPel), v. 23, p. 67-96, 2007. LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D.; NASCIMENTO, M. I. M. (Org.). Navegando pela história da educação brasileira. Campinas: Graf Fe Histedbe, 2006. 1. CD-ROM.

LOPES, A. C. Políticas de currículo: mediação por grupos disciplinares de ensino de ciências e matemática. In: LOPES, A. C.; MACEDO, E. F. de (Org.). Currículo de ciências em debate. Campinas: Papirus, 2004. p. 45-76.

LORENZ, K. M.; BARRA, V. M. Produção de materiais didáticos de ciências no Brasil, período: 1950 a 1980. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 38, n. 12, p. 1970-1983, dez. 1986.

MAMEDE, M.; ZIMMERMANN, E. Letramento científico e CTS na formação de professores para o ensino de física. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, 16., 2005, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: <http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xvi/cd/resumos/T0264-1.pdf>. Acesso em: 6 nov. 2019.

MARTINS, M. A. R. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC): a educação como legitimação e dominação social. 2016. 199 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016. Disponível em: <http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/16426/1/2016_dis_ marmartins.pdf>. Acesso em: 8 jan. 2020

MEDEIROS, M. Lógicas das competências: perspectivas para o currículo em ação. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, Manizales, Colombia, v. 14, n. 2, p. 1031, 2016. Disponível em: <http://revistaumanizales.cinde.org.co/index.php/Revista-Latinoamericana/article/view/2589>. Acesso em: 2 abr. 2017.

MENDES SOBRINHO, J. A. de C. O ensino de ciências naturais na Escola Normal: aspectos históricos. Teresina: Edufpi, 2002.

MORAES, R. O significado da experimentação numa abordagem construtivista: o caso do ensino de Ciências. In: BORGES, R. M. R.; MORAES, R. Educação em ciências nas séries iniciais. Porto Alegre: Sagra-Luzatto, 1998. p. 29-45.

NASCIMENTO, F.; FERNANDES, H. L.; MENDONÇA, V. M. O ensino de ciências no Brasil: história, formação de professores e desafios atuais. Revista História, Sociedade e Educação no Brasil, Campinas, v. 39, p. 225-249, 2010.

OLIVEIRA, M. M. D. de; FREITAS, I. Currículos de história e expectativas de aprendizagem para os anos finais do ensino fundamental no Brasil (2007/2012). História Hoje, São Paulo, v. 1, n. 1, out. 2012. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Declaração Mundial sobre Educação para Todos. Jomtien, Tailândia, 1990.

PEREIRA, C. L. N.; SILVA, R.R. A história da ciência e o ensino de ciências. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais, edição especial, mar. 2009. Disponível em: <http://www.ltds.ufrj.br/gis/a_historia.htm>. Acesso em: 8 jan. 2017

POLANCZKY, C.; SANTOS, R. A. dos. A não neutralidade da CT no contexto educacional brasileiro: configurações curriculares e o enfoque CTS. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 10., 2015, Águas de Lindoia. Anais... Águas de Lindoia, 2015. Disponível em: http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/lista_area_09.htm>. Acesso em: 2 abr. 2017.

PONCE, A. Educação e luta de classes. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

POPPER, K R. Conhecimento objetivo. São Paulo: EDUSP, 1975.

POZO, J. I.; CRESPO, M.A.G. A aprendizagem e o ensino de ciências. Porto Alegre: Artmed, 2009.

RODRIGUES, B. A.; BORGES, A. T. O ensino de ciências por investigação: reconstrução histórica. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 11., 2008, Curitiba. Anais... Curitiba: SBF, 2008.

ROMANELLI, O. de O. História da educação no Brasil. 22. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2014.

ROSITO, B. A. O ensino de ciências e a experimentação. In: MORAIS, Roque (Org.). Construtivismo e o ensino de ciências. Porto Alegre: Edpucrs, 2000. p. 195-209. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=lWIsPQqz6MgC&pg=PA195&lpg=PA195&dq= berenicealvaresrosito&source=bl&ots=f82aRqssvA&sig=gsV_X3JQVEN0tFg7KkPsPIaJJG0&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwiB1PjB5ubPAhXGDJAKHf3JCAEQ6AEIJTAC#v =onepage&q=berenice alvares rosito&f=false>. Acesso em: 30 jan. 2017.

SANTOS, B. F. Currículo de ciências na escola primária norteamericana em uma perspectiva funcional. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 7., 2000, Florianópolis. Atas... Florianópolis: Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 2000. p. 1-10. ISSN: 21766940. Disponível em: <http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/1178.pdf>. Acesso em: 2 abr. 2017.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 333-352, 2008. Disponível em: <http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID199/v13_n3_a2008.pdf>. Acesso em: 07 nov. 2019

SHIROMA, E. O. et al. Política educacional. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

SILVA, Bo. V. da C. et al. Um estudo exploratório sobre a inserção da natureza da ciência na sala de aula em revistas da área de ensino de ciências. Holos, [s. l.], v. 7, p. 266-280, nov. 2016. ISSN 1807-1600. Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/ HOLOS/article/view/3138>. Acesso em: 22 maio 2017.

SILVEIRA, F. L. da; OSTERMANN, F. A insustentabilidade da proposta indutivista de "descobrir a lei a partir de resultados experimentais". Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 19, p. 7-27, 2002.

SORIANO, A. et al. Aspecto do ensino de química na escola média no nordeste brasileiro. Revista Iberoamericana de Educación Química, México, DF, v. 1, n. 5, p 5-8, 1974.

TAILÂNDIA. Declaração Mundial sobre Educação para Todos. UNESCO, 1990.

TENREIRO-VIEIRA, C.; MARQUES VIEIRA, R. Educação em ciências e matemática com orientação CTS promotora do pensamento crítico. Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad-CTS, Buenos Aires, v. 11, n. 33, p. 143-159, 2016. Disponível em: <http://www.revistacts.net/files/Volumen_11_Numero_33/VieiraEDITADO.pdf>. Acesso em: 2 abr. 2017.

VIEIRA, N. M. Educação formal de Ciências: prioridade para o cientista ou para o cidadão? Revista Pedagógica, Chapecó, v. 15, p. 183-194, 2014. Disponível em: <http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/364>. Acesso em: 2 abr. 2017.

VIEIRA, S. L.; FARIAS, I. M. S de. História da educação no Ceará: sobre promessas, fatos e feitos. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2002.

Downloads

Publicado

2021-01-08

Como Citar

Ribeiro, L. de S., Araújo Mota, M. D. ., & Crosara Maia Leite, R. (2021). História da Educação Científica: revisando aspectos e construindo perspectivas. Revista Educar Mais, 5(2), 198-216. https://doi.org/10.15536/reducarmais.5.2021.2053

Edição

Seção

Artigos